Regis Policarpo quer ser candidato a prefeito por conhecer os problemas de Muzambinho

Publicado em 09/06/2020 e atualizado em 09/06/2020 - politica - Da Redação

Regis Policarpo quer ser candidato a prefeito por conhecer os problemas de Muzambinho

O radialista muzambinhense Régis Policarpo Dias, muito conhecido no Sul e Sudoeste de Minas pelo seu amplo conhecimento político, anunciou sua pré-candidatura a prefeito de Muzambinho. Ele tem sua história de vida no jornalismo e publicidade em Brasília/DF, tendo retornado a Muzambinho e atuado por vários anos na Rádio do Povo AM. No momento reside em Alfenas/MG, trabalhando numa emissora de rádio local. 

CARREIRA PROFISSIONAL

Sua trajetória no rádio teve início na então Rádio Continental, ainda em Muzambinho, entre os anos de 1968 e 1970. Na época, junto com Wellington de Oliveira, Milton Neves e Joãozinho Dureza, José Antônio Araújo, Wiliam Peres, Paulo Ferreira de Carvalho, Benedito Dino, entre outros. Com o fechamento da emissora (que não era legalizada), depois trabalhou na Rádio Difusora. Por fim, em 1980, surgiu legalizada a então Rádio Rural, hoje Rádio do Povo.

No dia 23 de fevereiro de 1973, Régis Policarpo transferiu residência para Brasília/SP. Incialmente, trabalhou por três anos (entre 1973 e 1975) na Rádio Nacional, como plantonista esportivo. Também participava de programa esportivo na televisão, conhecendo as grandes estrelas do futebol brasileiro. Depois, passou a comentar e transmitir futebol em várias emissoras de rádio.

Sua experiência política se deve à convivência na Câmara e Senado Federal com grandes nomes do cenário nacional. Fala, de forma especial, da amizade com o ex-deputado Sebastião Navarro Vieira, Milton Reis, entre outros. Assim, fez uma análise do crescimento do Brasil, entre “momentos de crise e desenvolvimento”, até os dias atuais.

15 ANOS NA RÁDIO DO POVO

No retorno a Muzambinho, Policarpo participou de um programa de entrevistas deste jornal, junto com o diretor Vagner Alves, entre os anos de 1998 e 2002, Rádio do Povo AM, nas manhãs de sábado. Exatamente no dia 03 de fevereiro de 2003, passou a comandar um programa próprio e diário. Lembra que o primeiro entrevistado foi o presidente da Câmara à época, Marinho Menezes. O programa persistiu por quinze anos até o ano de 2017. “Fazendo um programa de duas horas e vinte de improviso, nunca recebi um processo e não tive um inimigo”, disse com satisfação. Entende que isto foi possível graças ao seu “jogo de cintura” no meio político e seriedade profissional. 

PRÉ-CANDIDATO A PREFEITO

A data de realização das eleições municipais deste ano deve ser definida entre final do mês de junho e início de julho. Isto devido à incertezas do isolamento social provocado pela pandemia do COVID-19. Policarpo pretendia ser candidato a prefeito de Muzambinho no ano 2000, mas não conseguiu viabilizar sua participação. “Eles me fritaram”, justificou.

Neste ano, Policarpo já lançou sua pré-candidatura a prefeito de Muzambinho pelo PDT. Acredita que, como radialista há mais de vinte anos, atuando como entrevistador, ninguém conhece mais dos problemas do município. “Vivemos jornalisticamente os problemas de Muzambinho”, ressaltou.

Entre os apoiadores, Policarpo citou o ex-deputado Marco Regis e empresário Zé da Laje, além de 17 pré-candidatos a vereador. Salientou que, ao contrário de outros pré-candidatos, tem propostas concretas para o município, que pretende divulgar na mídia ao longo da campanha.

PROBLEMAS E PROJETOS

Na área de saúde, Policarpo entende ser necessário o apoio de vários municípios para ser possível estruturar uma UTI no município. Desta forma, sugere um consórcio com as cidades mais próximos, como Cabo Verde, Monte Belo, Nova Resende e Juruaia. Com isso, viabilizando também a compra de diversos serviços e especialidades. Entende, inclusive, que a Santa Casa local reúne todas as condições para abrigar uma UTI. Na mesma área, pretende firmar convênio com o SAMU e aumentar a linha de medicamentos na Farmácia da prefeitura.

Na educação, o pré-candidato defende palestras quinzenais para jovens do ensino médio para estimular o cidadão ao empreendedorismo. Com isso, prestando orientações sobre a criação e desenvolvimento de um negócio próprio. Também pretende viabilizar um grande desconto para os estudantes do UNIFEG, bem como promover o transporte até a cidade de Guaxupé.

Quanto à geração de empregos, Policarpo defende a implantação de indústrias e desenvolvimento da prestação de serviços. Até porque, segundo ele, Muzambinho teve cerca de 800 empregos cortados pela mecanização do café. Pretende viabilizar um projeto de financiamento de máquinas de facções de lingerie, promovendo a integração com as confecções de Juruaia e outras cidades da região. Posteriormente, estas facções podem se tornar indústrias muzambinhenses.

A conservação das estradas rurais também é um tema bastante polêmico. O político observa que a prefeitura tem 760 funcionários, questionando que poucos trabalham na zona rural, que recebe pouco. Ao mesmo tempo, a cafeicultura gera uma grande arrecadação para o município. Neste setor, pretende formar duas equipes iniciais para atuar na zona rural, dividindo o município em duas partes para a execução de melhorias. Ainda neste setor, será criado o “disk reclamação” para ouvir os anseios dos moradores. No futuro, será montada uma terceira equipe para o trabalho de manutenção.

Policarpo ainda comentou projetos nas áreas habitacionais, segurança pública, Terceira Idade, Clubes e Praça de Esportes, assessoria administrativa, Carnaval e escolas de samba, substituição dos paralelepípedos por asfalto, entre outros.

Bastante articulado, Policarpo pretende mostrar o “outro lado” dos seus oponentes e apresentar uma serie de projetos a serem aplicados caso eleito.