Deputado Arantes participa de encontro preparatório do BRICS, em Belo Horizonte

Publicado em 08/11/2019 - politica - Da Redação

Deputado Arantes participa de encontro preparatório do BRICS, em Belo Horizonte

A convite do presidente do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), Sérgio Gusmão, o deputado Antonio Carlos Arantes assistiu na quarta-feira (07/11/19) a um dos painéis de debates do Pre Brics Summit Minas Gerais, o encontro preparatório para a 11ª reunião de cúpula de Brasil, Rússia Índia, China e África do Sul, que acontece nos dias 13 e 14 de novembro, em Brasília.

O deputado Arantes participou, em seguida, de um almoço com o presidente do BDMG, Sérgio Gusmão, que reuniu o vice-presidente de política e estratégia do Asian Infrastructure Investiment Bank (AIIB), Joaquim vom Amsberg, e o diretor da instituição asiática Alberto Ninio.

Antonio Carlos Arantes foi apresentado aos dirigentes do banco, que tem sede na China, como um dos grandes defensores do agronegócio mineiro.

O deputado falou sobre o encontro: “Foi uma oportunidade de promover a busca por investimentos no nosso estado. E entre os temas com maior destaque em nossa conversa estava a agricultura de baixo carbono”, concluiu.

BRICS

As reuniões entre Brasil, Rússia, Índia e China (BRIC) iniciou-se de maneira informal em 2006, com reunião de trabalho entre os chanceleres dos quatro países à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas. Em 2011, a África do Sul juntou-se ao grupo que passou a ser chamado de BRICS, constituindo-se num mecanismo de cooperação entre os países-membros em áreas que tenham o potencial de gerar resultados concretos.

A XI Cúpula será realizada em Brasília, em 13 e 14 de novembro, no Palácio Itamaraty, sob o lema “BRICS: crescimento econômico para um futuro inovador”. Antecedendo o encontro de líderes, a presidência brasileira organizará dezenas de encontros que terão como prioridades (i) o fortalecimento da cooperação em ciência, tecnologia e inovação; (ii) o reforço da cooperação em economia digital; (iii) o adensamento da cooperação no combate aos ilícitos transnacionais, em especial ao crime organizado, à lavagem de dinheiro e ao tráfico de entorpecentes; e (iv) o incentivo à aproximação entre o Novo Banco de Desenvolvimento e o Conselho Empresarial.