A prefeitos, Pacheco diz que falta de coordenação retardou o enfrentamento da Covid-19

Publicado em 01/04/2021 - politica - Da Redação

A prefeitos, Pacheco diz que falta de coordenação retardou o enfrentamento da Covid-19

O presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (Democratas-MG), avaliou, na quinta-feira (1º), que a falta de coordenação para o enfrentamento da pandemia da Covid-19 impediu que o país respondesse a essa crise de saúde de forma eficaz e célere. O senador mineiro participou de reunião virtual com a diretoria da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), idealizadora do Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras (Conectar). 

“Não há nada pior, num momento como esse, do que a desarticulação, a falta de coordenação. E o Brasil revelou, infelizmente, a partir dessa falta de coordenação, algo que nós não podíamos ter feito. Desde o início, era preciso ter coordenado todos os entes federados para podermos enfrentarmos da melhor forma possível essa pandemia. Esse consórcio é uma demonstração de unificação dos municípios brasileiros, algo a ser seguido”, ressaltou Pacheco.

O presidente do Senado explicou ainda aos municipalistas os trabalhos que estão sendo feitos no Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19. Além de Pacheco, que é interlocutor dos governadores, o grupo conta com a participação do presidente Jair Bolsonaro, do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e de representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). 

Diante da estimativa apresentada pelo Executivo, dentro da qual as contratações de doses de imunizantes seriam suficientes para atender toda a população brasileira, Pacheco disse ter solicitado ao Ministério da Saúde um cronograma mais crível de imunização no país, uma vez que essa é a principal forma de minimizar a proliferação do vírus. “Temos que reconhecer que o Brasil atrasou esse processo, atrasou esse cronograma e estamos correndo atrás do tempo nesse momento”, frisou. 

Estados e municípios

O senador mineiro reconheceu o esforço da FNP por liderar iniciativa que segue uma premissa que, na avaliação dele, deve ser prioridade: a unificação de ideias e de ações para o enfrentamento à doença. O Conectar é o primeiro consórcio público de cidades brasileiras que surgiu como alternativa para a compra de medicamentos, insumos e vacinas contra o coronavírus, num cenário em que a demanda não é atendida a contento pelo governo federal. Cerca de 2.600 municípios se manifestaram favoráveis ao projeto.

Interlocutor dos governadores no Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19, Pacheco avaliou ainda que é louvável a ideia de incluir representantes dos prefeitos e dos governadores no grupo de trabalho. “A intenção não é subtrair a responsabilidade ou assumir a responsabilidade exclusiva pelo enfrentamento. É apenas uma organização de ideias para que o presidente da República faça uma coordenação geral, para que ele tenha conhecimento das ações do Legislativo, para que nós tenhamos conhecimento das ações do Executivo, e o diálogo muito franco com os demais segmentos e, sobretudo, com governadores e prefeitos”, explicou.


ASCOM