Agora é lei: Rota da Revolução de 1932 é reconhecida como de Relevante Interesse Cultural de Minas Gerais

Publicado em 13/01/2020 - geral - Da Redação

Agora é lei: Rota da Revolução de 1932 é reconhecida como de Relevante Interesse Cultural de Minas Gerais

A Rota da Revolução de 1932, em Jacutinga, tornou-se um patrimônio de Relevante Interesse Cultural de Minas Gerais. O governador Romeu Zema sancionou o Projeto de Lei 1108/19, de autoria do deputado Dalmo Ribeiro, criando a Lei 23.544/20, que reconhece o valor cultural da Rota de 32 para o Estado. A proposta do deputado Dalmo Ribeiro tem por objetivo reconhecer e preservar essa importante parte da história brasileira, palco daquela que foi considerada a maior revolta armada ocorrida no Brasil no século 20.

“Essa é uma grande conquista para o nosso Sul de Minas. É uma iniciativa que irá promover o desenvolvimento turístico e econômico da região e contribuir para a geração de emprego e renda. Transformar a Rota da Revolução de 32 em patrimônio cultural é um dever histórico que temos com Jacutinga e com o nosso estado”, afirmou o deputado Dalmo Ribeiro.

A Rota da Revolução foi lançada oficialmente em 2016 e tem como atrativo histórico os locais por onde marcharam tropas federalistas e paulistas, passando por sítios, fazendas, igrejas, antigas estações ferroviárias. São 65 quilômetros de percurso, com o roteiro histórico demarcado em toda a sua extensão.

A rota turística começa na antiga estação ferroviária no centro da cidade de Jacutinga, passando pelos bairros rurais de São Luiz, Machado e Sapucaí, depois tem uma breve passagem pelo município de Itapira, em São Paulo, retornando, já em Minas Gerais, pela fazenda da Mata, fazenda Bom Café e bairro dos Stecca. 

Dalmo Ribeiro também é autor da Lei 22.179, de 2016, que instituiu a comemoração anual da data de 3 de outubro em alusão à Revolução Constitucionalista de 1932.