PRIMAVERA INVERNAL

Publicado em 23/09/2011 - ze-nario - Zé Nário

Parece que algumas espécies da nossa rica flora estão meio malucas. Tem árvore verdinha, verdinha, como se as chuvas já tivessem voltado. Mas, opostamente, tem exemplares de ipê, amarelo, roxo, branco, que ainda nem derrubaram as folhas para emitir a floração exuberante. O normal é que já estivessem derrubando
Típica do inverno, a seca prolongada, que já invade a primavera, confunde os organismos vivos. Estamos entrando na primavera e as noites ainda estão frias. A temperatura ao sol chega a ser insuportável. Na sombra, dentro de casa, os pelos arrepiam de frio. Por causa dessas variações, as doenças respiratórias atacam em bloco, principalmente nas crianças e idosos. Qualquer pessoa com mais de trinta se lembra que o mês de agosto era um período de muito calor, com um ar enfumaçado e sufocante. Isto em razão da grande quantidade de poeira suspensa na atmosfera, além da fumaça das queimadas, que eram abundantes. E ainda são.
O mês de agosto costumava ser tão quente que antigamente as pessoas acreditavam que o os cães “enlouqueciam” em virtude disso. O “mês do cachorro louco” tinha fama de ser ruim para tudo. Hoje sabemos que os animais adquirem a raiva - ou hidrofobia – ao serem infectados por um RNA-vírus. Mas isso, através do tempo, contribuiu grandemente para a notoriedade negativa do mês.
A fama do oitavo mês do ano era tão ruim que ninguém se casava no período, ninguém se mudava de casa ou trocava de emprego. São superstições surgidas a partir de concepções errôneas do senso comum, que não tem um mínimo de fundamento.
Segundo os estudiosos do clima, neste final de inverno e começo de primavera o ar que respiramos está tão ou mais seco que o ar do deserto do Saara. Não há rinite que resista, ela se apresenta durante todo o tempo, dia e noite. As narinas ardem continuamente, clamando por um pouco de umidade. Que não virá tão cedo! Não há sinal de chuva no céu visível. Já estou até ficando com dor no pescoço de tanto olhar para cima.
Pois é, já estamos em setembro - quando é de se esperar algumas chuvas torrenciais e até tempestades - e o frio ainda não foi embora de vez. Fica aí pelos cantos, pelas sombras, aguardando para atacar. O frio ainda se faz presente e a secura do inverno não foi embora. A baixa umidade do ar me fez descobrir uma coisa nova: hoje sei que sou capaz de sobreviver no deserto, feito escorpião ou lagartixa.
Embora ainda não possamos visualizar a primavera na paisagem, venho saudar a chegada dela na data dedicada ao dia da árvore. Acho que a estação das mudanças, da renovação, da esperança é a mais importante delas. É aqui que recomeça todo o processo de recriação e reinvenção da natureza.
Em suma, a vida recomeça na primavera. Por isso, ela é tão bela e exuberante! Num país tão cheio de festas como o nosso, com carnavais temporões por todos os lados, a primavera mereceria a maior de todas as comemorações. Quem sabe um dia alguém pense nisso...