MEU ANO QUE PASSOU

Publicado em 23/12/2010 - ze-nario - Zé Nário

Quando vem chegando o Natal invariavelmente já estamos pensando no ano novo. Além da lista de presentes para apresentar ao Papai Noel, temos também uma enorme lista de realizações para o ano vindouro, que é apresentada ao Pai Maior, o Fabuloso Arquiteto do Universo.
Via de regra, queremos sempre muito mais do que merecemos: casa nova, carro novo, prêmio da Mega Sena, viajar o mundo todo e outros mais. Pedimos toneladas de felicidade e caminhãozadas de realizações. Solicitamos enormes quantidades de alegrias e as maiores prosperidades possíveis. Fazemos-nos merecedores de todas as benesses do Grande Criador, no próximo período de doze meses.  Mas, quase que constantemente, esquecemos de agradecer os presentes recebidos no ano que termina. Esquecemos das coisas boas que nos aconteceram, para exigir mais e mais. Insaciavelmente, na maior cara de pau, desejamos até o que não nos é devido. Avançamos por sobre o direito de quem nada tem e, por conseguinte, merece muito mais. Esquecemos as desgraças que vemos pela janela o ano todo e nos fazemos egoístas, além de perdulariamente desejosos.
Esquecemos de agradecer a um bem maior que recebemos: a continuação da vida. Se estou aqui a escrever para que você possa ler, certamente ambos fomos abençoados com a graça de viver e ver o sol nascer mais um dia. Se você está aí a ler o que escrevi, certamente tem muito que agradecer. Mais um ano se passou e você continua lendo. Eu também devo mostrar-me penhorado e satisfeito por poder fazer desfilar minhas ideias e opiniões nas páginas deste veículo de imprensa, neste finzinho de ano.
Sinceramente, apesar de querer algumas coisas que ainda não vieram, e talvez nunca venham, fico muito feliz somente por estar vivo. Quero muito mesmo é “emplacar” mais um ano no calendário. E, mais modestamente ainda, desejo tão somente ver nascer mais um dia e vivê-lo intensamente. Quero continuar recebendo a graça de poder beijar minha esposa e abraçar os meus filhos, conversando com eles sempre que possível. Desejo também poder retribuir minimamente o milagre da minha sobrevivência aqui na Terra.
Sei que não faço muito, mas, como aqui neste espaço, posso pelo menos ajudar a espalhar essa mensagem de agradecimento no final de mais um ano. Pense nisso, caro leitor, e faça sua parte. Antes de pedir algo, agradeça as conquistas do ano que finda. Congratule-se consigo mesmo por ter vencido mais uma etapa da vida e deixe que as coisas aconteçam.
Não se iluda com as cores. Nada vai mudar se você usar roupas vermelhas, amarelas ou brancas na virada do ano. Mas a sua mente, devidamente trabalhada e dedicada, pode contribuir para tornar a vida mais vermelha (plena de amor), amarela (cheia de prosperidade) ou branca (carregada de paz).
Acredito que é somente disso que precisamos. E é este o presente de Natal que peço para mim e para toda a humanidade: paz, amor e prosperidade no novo ano. Que tudo isso venha de bastantão, mesmo!
Além de mais um ano de vida, é claro!
Abraços!