CORTINA DE FUMAÇA I (Ele tá de olho na butique dela)

Publicado em 25/03/2011 - ze-nario - Zé Nário

Barack Obama é muito do espertalhão! Veio desfilar sua simpatia aqui pelas terras tupiniquins e não enfrentou nenhum protesto mais radical e efetivo contra as deploráveis atitudes americanas. Isto, acho eu, por causa da origem africana do presidente americano, matriz cultural de grande parte do nosso povo.
Parte desse mérito é porque ele também trouxe a esposa, aquela negona extremamente simpática e muito elegante, a Michelle, além das duas filhinhas meio insossas, mas comportadinhas. Isso ajudou muito na conquista da simpatia do povo brasileiro. Com isso, no meio da visita, e assim meio mascado, entre dentes, no decorrer de um discurso “nada a ver”, ele anunciou que havia autorizado o bombardeio das mansões do Kadaff no desertão da Líbia. Obama juntou uma turma da pesada lá na Europa, todos detentores de respeitáveis e poderosas frotas aéreas, e ferveu a levantar poeira da vizinhança do poder líbio.
Múmia Kadáver, quer dizer, Muamar Kadaff, tentou esbravejar para meter medo nos aliados. Mas ele só consegue emitir uns muxoxos. Fez tanta cirurgia plástica nas faces – com especialistas brasileiros – que mal consegue mexer os lábios. Parece ventríloquo. Fala sem mexer a boca.
Deixemos isso de lado e vamos ao que interessa. Comecemos por falar a verdade: até a bem pouco tempo não passávamos de um monte de merda para os americanos. Um monte de merda tão insignificante que nem fedia. Uma merda que não servia para absolutamente nada.
Agora, não mais que de repente, o presidente americano resolve vir ao Brasil fazer um afago no cabelão armado da Dilma (haja laquê!). E não foi à toa que ele trouxe mais de mil pessoas para passear no Brasil. Ele veio porque “está de olho na butique dela”, como dizia um antigo sucesso popular do cantor nordestino Genival Lacerda.
A “butique” brasileira mais vistosa no momento é o petróleo do pré-sal. Além, é claro, dos combustíveis alternativos (álcool e biodiesel). Os ianques querem se livrar da dependência energética do petróleo árabe e resolveram cortejar a noiva do momento.
Mas isso será realmente bom para nós? Sei, não... Quantos países árabes eles já bombardearam para resguardar seus supostos direitos sobre o petróleo alheio?
Que eu me lembre, ainda recentemente eles se meteram na Guerrra do Golfo Árabe, invadiram o Iraque e tentaram invadir o Irã, que não é árabe. Tudo isso, além de apoiar incondicionalmente os israelenses que jogam bombas para todos os lados.
Quem me garante que os americanos não vão nos bombardear ao menor sinal de contrariedade? Quem me garante que eles não vão querer invadir o mar territorial brasileiro para ficar com o petróleo do pré-sal?
Tem outra coisa: os americanos são especialistas em emitir cortinas de fumaça para encobrir suas ações injustificáveis mundo afora. E a visita ao Brasil ajudou a desviar a atenção e diminuir o impacto do bombardeio à Líbia.
A cortina de fumaça, ou seja, a vistosa família-modelo americana fazendo turismo no Brasil, foi usada para encobrir mais uma demonstração de força dos agressivos americanos no norte da África. A próxima candidata é a Síria, ali pertinho. Aguardemos...