A Voz de Todos - Edição 1025

Publicado em 11/02/2011 - vonzico - Ivon W. Vieira (Vonzico)

PENSAMENTO DA SEMANA – “Para suportar a tristeza basta um, mas para desfrutar a felicidade são precisos dois ou mais” (Todos nós).
CARNAVAL DE ARROMBA EM MUZAMBINHO. MUITO CUIDADO – O gigantismo de nosso carnaval, que cresce a cada ano, precisa ser mais fiscalizado pelas autoridades, pois no meio de pessoas boas que visitam a cidade com suas famílias, para se divertirem, muitas das vezes aportam por aqui alguns elementos que visam somente se aproveitarem, não só fazendo anarquia, como inclusive assaltar algumas residências ou mesmo pessoas. Assim sendo, solicitamos e temos certeza que assim agirão, que nossas autoridades tomem todas providências para coibir de vez e não dêem oportunidade para que tal não aconteça. Prevenir ainda é o melhor remédio! Todos nós agradecemos antecipadamente.

COMO SE LIVRAR DE “SITUAÇÕES EMBARAÇOSAS” – Recebemos um livro de um amigo de São Paulo, muito interessante, dando dicas para sairmos de situações embaraçosas, e para ilustrar, vamos apresentar duas: CASAL. O marido chega em casa nervoso, chuta a porta, passa pela sala, pela copa e vai até o quarto onde encontra a mulher e vai dizendo: Maria, eu sei tudo!!! Ela com aquele ar superior, olha para ele e pergunta: muito bem sabichão. Qual é a capital do Uzbesquitão? A outra é a seguinte: O casal está na maior intimidade, quando o telefone toca. Ela vai atender e volta. Quem era? Meu marido dizendo que vai atrasar um pouco porque está tomando um chopinho com você!!! (???)

O MUNDO DOS RECORDES – A menor temperatura já registrada na terra foi de 89,2 graus centígrados, na Estação Científica Vostok, na Antártida. O registro foi feito em 21 de junho de 1983. Será que um ser humano terá ou teria condições de sobrevivência com temperatura tão baixa?

CÃES SOLTOS PELA RUAS – Sabemos que é cansativo escrevermos sobre o mesmo assunto, mas as autoridades municipais precisam agir com urgência e retirarem de circulação os cachorros que vivem perambulando pela cidade, mormente em nossa Avenida Américo Luz, antes que algo de pior aconteça. Estão esperando que algum ataque e mordam alguém? E olha que são cachorros de grande porte, magros e famintos!

NOSSO PRÓXIMO LIVRO DE “CAUSOS E ESTÓRIAS” – Nosso próximo livro de “Causos e Estórias” está quase pronto e dentro em breve será editado e esperamos que obtenha a mesma aceitação dos leitores, pois não devemos jamais deixar cair no esquecimento as aventuras e peripécias de nossos antepassados, sendo que muitos eram especialistas no entretenimento das pessoas naquelas noites escuras e sombrias de um passado distante, quando não havia Rádio, TV e os jornais chegavam, quando acontecia, com atraso de semanas.

O MEDO HORRÍVEL DAS “ASSOMBRAÇÕES” NUM PASSADO DISTANTE – Antes do advento da televisão, as pessoas que viviam antes dos anos 40, raramente andavam durante a noite, pois as estórias de assombrações fervilhavam, e nós os garotos da época, nem saímos à noite com medo de tudo. Os mais velhos também não arriscavam e cada um tinha a estória para contar. O Colégio Salatiel era assombrado e uma mulher vestida de branco aparecia para os alunos e muitos chegaram a vê-la. Nosso pai, um homem forte, não viajava à noite sozinho e imaginem nós que éramos garotos. Pessoas idosas contavam que tinham visto ou o que haviam ouvido de outras pessoas. Muzambinho era mal iluminada, com umas luzes bem fraquinhas na cidade e durante a noite não se via um alma nas ruas. O medo campeava e cada um tinha o que contar. Na época da quaresma então, ninguém sai de noite, de medo das “mulas sem cabeça”, “lobisomem”, “capeta”, “saci-pererê”, e isso além dos malandros que perambulavam por toda parte. Nós meninos sofríamos, pois nossos pais que eram adultos acreditavam em assombrações o que nos amedrontava. Com o advento da televisão, meios de comunicação mais atuantes, tudo foi caindo no esquecimento e hoje nenhuma criança tem medo e nem se comenta sobre almas penadas e assombrações. São outros tempos!

ATÉ O MODO DE EDUCAR EVOLUIU... – Na nossa infância a educação familiar era na base da “vara de marmelo”, que por vezes ficava pendurada na sala para que as crianças nunca se esquecerem. Qualquer anormalidade ou erro de uma criança o “pau comia”, e não era por maldade dos pais, mas era o que se usava. Nas escolas os castigos eram severos, com “palmatória” sobre as mãos, ajoelhar em bagos de milhos e no colégio tinha professor que até batia nos alunos, sem dó nem piedade e quando chegavam em casa os pais os castigavam. Felizmente hoje o tratamento é outro e há mais respeito com as crianças e a educação é com palavras e castigos brandos, como não brincar, não sair com amigos, ou perder a “mesada” semanal, o que aliás, é mais lógico, pois castigo físico somente deixa marcas e ranços contra os pais.

MOSCONI, ARANTES, MELLES E GERALDO THADEU TOMARAM POSSE – Pelos nomes acima dos deputados estaduais e federais que receberam votação expressiva em Muzambinho e em toda região sul-mineira, temos convicção que estamos bem representados em todos os setores, e esperamos uma atuação digna de todos eles, e que Muzambinho não seja esquecida, e receba deles uma dedicação especial, procurando sempre beneficiar-nos com verbas e tudo o que for necessário para o progresso e bem estar de todos nós. Vamos aguardar! Que nossos votos não tenham sido em vão!

MOMENTO POLÍTICO: O HOMEM, O GOVERNO E A VACA –
Uma revista paulistana, há tempos, publicou o seguinte: SOCIALISMO – Você tem duas vacas e dá uma para o seu vizinho. COMUNISMO – Você tem duas vacas, o governo tira as duas e lhe dá o leite. FASCISMO – Você tem duas vacas. O governo tira as duas e lhe vende o leite. BUROCRACISMO – Você tem duas vacas. O governo tira as duas, vende o leite, fuzila uma, tira o leite da outra e joga o leite fora. CAPITALISMO – Você tem duas vacas, vende uma e compra um touro. NAZISMO – Você tem duas vacas. O governo tira as duas e fuzila você. Por ai se vê que o ISMO não está com nada, ou está? E esqueceram de comentar que já tivemos no Brasil, a sigla Integralismo.

PIADA DA SEMANA: O EQUILIBRISTA – Num circo de cavalinhos, daqueles mais “mambembes” que circulavam por nossas bandas, atração era um equilibrista que apresentava uma garota toda nua, que deitava começava a urinar para cima e equilibrava uma noz deixando-a cair entre as pernas e a quebrava e era a maior atração. Mas um gaiato se apresentou dizendo que aquilo não era novidade, pois sua avó fazia a mesma coisa só que era com um COCO DA BAHIA.