MELHOR PREVENIR DO QUE REMEDIAR

Publicado em 01/11/2019 - vitor-hugo - Da Redação

MELHOR PREVENIR DO QUE REMEDIAR

A agricultura natural exige  um reconhecimento mais profundo da formação e evolução de um solo e maior consideração  aos fatores  inerentes  à pratica de uma agricultura essencialmente química, que no decorrer dos anos, causou sérios desequilíbrios, impossíveis de serem corrigidos “da noite para o dia”. O que a natureza construiu ao longo de centenas de anos  pode ser totalmente destruído em poucos anos  com a  adoção de uma agricultura extrativista ,comparada à mineração, que leva embora tudo que o solo tem de bom , não devolve nada e ainda deixa os rejeitos . Vale portanto afirmar que a prevenção é sempre mais conveniente do que a correção, porque a recuperação de um solo custa tempo e dinheiro. A sustentabilidade é um termo que aos poucos vem fazendo sentido na vida do nosso agricultor,  em uma propriedade rural não podem haver sobras...,aproveita-se tudo: bananeiras que já deram cachos ,estercos bovinos ,suínos ou de aves ,cama de frangos ,palhadas de milho, feijão, café, serragem , restos de silagem ,lixo domestico ,restos de alimentos , que serão decompostos  por microrganismos , passando a fazer parte do solo onde os elementos minerais serão reciclados .Cada tipo de palha possui  seus  microrganismos  específicos  em ambiente controlado, e a raiz por sua vez tem sua população de fungos e bactérias em franca atividade simbionte ,ou seja, recebendo o carbono  sintetizado pelo vegetal e eliminando enzimas que serão absorvidos pelas raízes em forma de aminoácidos que irão formar as proteínas .O húmus, quando chega ao seu  estagio final, tem grande durabilidade no solo , ate três anos ou mais ,em solos compactados  os minerais se tornam tóxicos para as plantas , o alumínio, ferro ,o manganês, o gás  carbônico  se transforma em gás metano  e  vai lá aumentar o buraco na camada de ozônio , os sulfatos viram  sulfitos ,volatilizam e ainda causam queimaduras nos ramos dos vegetais ,os nitratos voltam a formar amônia que leva a planta a emitir radiações que são captadas a distancia pelas antenas dos insetos ,ou nitrogênio elementar que é volatizado .Pela  grande variedade  de materiais orgânicos ,com diferentes proporções de carbono e nitrogênio ,aconselhamos que não se aplique nem palhas nem estercos crus em grandes quantidades .É bom frisar  que: palhas, estercos, compostagem ou qualquer material  orgânico ,não são adubos ... São condicionadores de solo, cuja função principal é promover alterações físicas e biológicas que irão  proporcionar  melhor  absorção dos elementos minerais pelas plantas, portanto ,ao  adquirir um material  orgânico  é importante saber qual a matéria prima que foi usada, se foi esterco de galinha, se foi de curral, se foi cama de frango, turfa, se foi resíduos de borra de café , se foi casca de madeira , serragem , ou outro material  e qual o teor de matéria orgânica e umidade  deste material,  a turfa, a vermiculita , o fino de carvão ,  por exemplo retêm  5 vezes  seus  pesos  em agua . No caso de ter sido  acrescentado adubos químicos ,sendo pois vendido como  organo /mineral ,saber qual o percentual mínimo destas formulas , para avaliar o custo /beneficio destes elementos frente ao  custo  dos  fertilizantes químicos , ate mesmo para que sejam calculadas as variáveis  para cada talhão  da lavoura. O nitrogênio é o mais importante e mais caro destes insumos e é o elemento mais abundante na  atmosfera (ocupando 78% ). Não esta longe  o dia em que saberemos  usar esta fonte sagrada de energia limpa, reciclável e  barata... para não dizer de graça, convivendo de maneira inteligente com os vegetais e microrganismos  eficientes, capazes de promover, junto com o fenômeno  da  fotossíntese ,a reciclagem deste elemento essencial para  a vida em nosso planeta. Há  muito o que se fazer .


(VITOR HUGO )