CAFÉ... E AGORA O QUE FAZER?

Publicado em 04/10/2019 - vitor-hugo - Da Redação

CAFÉ... E AGORA O QUE FAZER?

A cafeicultura, ao longo deste meio século de que temos consciência, passou e passa por muitas  modificações ,algumas bem sucedidas ,outras nem tanto . Isto ocorre muitas vezes em função do imediatismo que não combina bem com  empreendimentos de médio e longo prazo como é o caso da lavoura de café .Estamos  vendo em nossas andanças ai pela região cafeeira onde trabalhamos, Carmo da Cachoeira que fica  entre Varginha e Três Pontas, que o produtor foi surpreendido com a estabilização dos preços  do café  e também com  o período de estiagem  que  já estão esbarrando nos primeiros tratos e adubações  que chegam com o inicio das chuvas .Esta acontecendo uma sistematização na poda  do cafeeiro logo após um ano de carga, optando pelo regime de safra zero ,muitas vezes ate influenciado pelos preços não satisfatórios . É exatamente ai que foca o nosso ponto de vista e tecemos este comentário no sentido de contribuir com a tomada de decisão do produtor a respeito da execução de  podas .Acontece que uma lavoura que esta sofrendo o stress de um ano de alta produtividade , levando em conta que as progênies mais plantadas hoje deixam de lado o fator rusticidade , estão erradamente pendendo para produtividade, porte  e resistência a ferrugem, mesmo expondo uma maior  susceptibilidade  à cercosporiose  a nosso ver mais complexa que a primeira porque afeta não  apenas as folhas mas também os grãos de café ,se  bem que as duas são puramente nutricionais e  portanto  fisiológicas ...nem costumo dizer que são doenças ,são efeitos e não causas. Todos os sistemas de podas causam  perdas de raízes em intensidades proporcionais ,por exemplo : numa poda drástica como a  recepa foram constatadas morte de 80% das raízes três meses após sua execução ,uma poda como o esqueletamento  também vai afetar substancialmente a relação  parte aérea/sistema radicular uma vez que têm que estar equilibrados, também a relação  C/N (carbono/nitrogênio). Portanto quando a poda é programada a lavoura esta preparada, certamente  e ira responder satisfatoriamente o que não ira acontecer em caso de grande produção e alto stress, vale também  lembramos que o cafeeiro é uma planta de crescimento continuo, não é uma caducifólia como o pessegueiro, a uva , a maçã que recolhem suas reservas minerais e explodem de flores na primavera .Fica aqui nossa opinião que a renovação da cafeicultura  tem que buscar novos plantios ,variedades que satisfaçam os paladares da terceira onda com todos os seus requisitos , sabor achocolatado , caramelado,  maturação mais uniforme, enxertia, clones  e por ai se vai !  ...poda é remendo...  e roupa remendada  pode nos deixar na mão...!!!       


( VITOR  HUGO )