“Cidade pequena não é para dar lucro para o governo federal, mas qualidade de vida para seu povo”, desabafa o prefeito de São Pedro da União

Publicado em 15/12/2019 - regiao - Da Redação

“Cidade pequena não é para dar lucro para o governo federal, mas qualidade de vida para seu povo”, desabafa o prefeito de São Pedro da União

As ações administrativas em São Pedro da União. O prefeito Custódio Ribeiro Garcia, acompanhado pelo vice-prefeito Ronaldo Tijolo, concederam extensa entrevista a este jornal na última semana. Conheça a realidade, os projetos e as perspectivas do governo municipal.


HABITAÇÃO E INDÚSTRIAS

São Pedro da União tem uma carência habitacional superior a 100 unidades, situação que vem se arrastando nos últimos anos, sem o devido investimento da prefeitura. Ao mesmo tempo, o município conta com vários loteamentos particulares, mas sem que a população tenha condições financeiras para adquirir um terreno e construir sua casa. 


Custódio lembra que na década de 1980 uma área foi loteada, mas sem que o projeto fosse viabilizado. Depois, o ex-prefeito Paulo Geraldo (orientado pelo Ministério Público) baixou um decreto cancelando o loteamento e interrompendo a cobrança do IPTU. Porém, algumas pessoas ingressaram na Justiça. Neste ano, com o esforço das áreas jurídica e de engenharia, o atual governo conseguiu reverter a situação. A intenção é viabilizar um projeto social, sendo que numa faixa às margens de uma avenida serão distribuídos cinco lotes para pequenas empresas. A intenção é facilitar ao máximo para que o cidadão tenha condições de viabilizar sua habitação popular.


DESABAFO DO PREFEITO

Custódio reconhece a necessidade de desenvolver o município, mas reclama da falta de união. “Enquanto tem 50% tentando levar a cidade pra frente, 50% está tentando arrastar pra trás”, disse. Sobre a oposição política, confessou: “Sinto aquela politicagem covarde”. Defende a boa política e a oposição sadia. O vice Ronaldo Tijolo observa que as críticas positivas são oportunas para fazer as correções necessárias, mas também confirmou as críticas feitas por politicagem que somente atrapalha.

Aos 60 anos de idade, Custódio falou com satisfação de sua efetiva participação em muitas melhorias viabilizadas para o município como prefeito, vice-prefeito e vereador. Citou: telefonia, água tratada para a sede do município e distrito de Biguatinga, asfaltamento do Distrito de Biguatinga, ligação entre São Pedro da União e Juruaia, asfaltamento de ruas na cidade, conclusão do hospital, conquista de máquinas e inúmeras outras ações. Valorizou os governos estaduais de Aécio Neves, Antonio Anastasia e Fernando Pimentel.


DEMANDAS HISTÓRICAS

São consideradas ações importantes do atual governo a regularização fundiária, transporte universitário gratuito, contratação de pediatra e ginecologista, além de muitos convênios na área de saúde. Custódio acrescentou que diariamente cerca de dez veículos fazem o transporte de pacientes para atendimento em outros centros. Enquanto que legalmente o município deve investir o mínimo de 15% na área de saúde, em São Pedro da União o índice chega a 30%. Sobre a regularização fundiária, a intenção é chegar a 800 escrituras entregues até o final do mandato.


BUSCA DE RECURSOS

O atraso no repasse por parte do governo estadual (Fernando Pimentel) soma uma dívida com o município em aproximadamente R$ 2 milhões. Em 2017, a prefeitura ingressou com uma ação na Justiça de Guaxupé, conseguindo impedir a retenção do ICMS. Caso contrário, o valor em atraso seria ainda maior.


Custódio ainda revela que tem feito uma verdadeira maratona na busca de recursos estaduais e federais, “batendo na porta” dos gabinetes de deputados, Secretarias e Ministérios. Mesmo assim, são poucos recursos conquistados, com o país e o estado “quebrados”. Além disso, o pouco que consegue, demora muito para ser liberado ao município. Entende que é preciso fazer uma reforma política com urgência, mas com pouca confiança porque as mudanças estão nas mãos dos deputados e senadores. Também criticou a realização de eleições a cada dois anos, gerando despesas e inviabilidade administrativa. “Infelizmente, estão fazendo o nosso país de gato e sapato”, lamentou. 

REALIDADE DO HOSPITAL 

O prefeito revela que em 2017 encontrou o hospital em enorme dificuldade, com dívidas e atraso do 13º salário dos funcionários. Assim, foi montada uma nova diretoria e a entidade vem atendendo “dentro do possível”, com médico trabalhando 24 horas nas urgências e emergências. Mas reconhece que o funcionamento é limitado.


ATUAÇÃO NO ESPORTE

O vice-prefeito Ronaldo Tijolo está sempre empenhado neste setor. Observa que o trabalho começou de forma organizada em 2017, somente com a participação do município nos Jogos da AMOG e projeto Bola & Viola. Já em 2018, foram promovidos os campeonatos municipais adulto e infantil (Sub 9, Sub 11 e Sub 13), além de um campeonato regional e participação em diversas outras modalidades esportivas, inclusive apoiando o futebol feminino. Mesmo sem assumir uma secretaria específica, auxiliar nas áreas do esporte, educação, cultura e trabalha até mesmo como motorista quando necessário.


EXTINÇÃO DE MUNICÍPIOS

A PEC do governo federal que pretende extinguir municípios com uma população até cinco mil habitantes atinge diretamente a cidade de São Pedro da União. Custódio confessou toda surpresa e comentou: “O município não é um comércio que você abre a porta e fecha se deu errado”. Argumenta que São Pedro da União tem uma história de 76 anos de emancipação político-administração, em 01 de janeiro de 2020. Portanto, entende que a ideia de extinção de municípios é um verdadeiro retrocesso. “Se querem resolver o problema da dívida do país, tenham coragem e façam uma reforma política”, criticou.

Custódio acredita que o orçamento de São Pedro da União deve atingir neste ano R$ 17 milhões. Afirmou que o município viabiliza recursos para a União, que depois devolve uma “migalha”. Assim, fez o seguinte desafio: “Não dá um centavo para São Pedro da União, mas também não leva um centavo, que nós vamos sobreviver tranquilo”. Argumentou ainda que 82% dos municípios brasileiros não atingem 10% da arrecadação.

O prefeito manifestou sua confiança de que a PEC não será aprovada, considerando a medida uma verdadeira piada. “Cidade pequena não é para dar lucro para o governo federal, mas qualidade de vida para seu povo”, falou.


CÂMARA PARCEIRA

Custódio finalizou elogiando a atuação do Poder Legislativo, sempre votando os projetos de interesse do município. Revelou, inclusive, que na última semana, a Câmara promoveu a devolução de R$ 220 mil ao Executivo. Uma ação que ocorre com tranquilidade todo final de ano e ajuda bastante no pagamento do 13º salário do funcionalismo público municipal.