Os Zés e os Zezinhos

Publicado em 24/06/2019 - ponto-de-vista - Da Redação

Os Zés e os Zezinhos

Quantos Zés, quantos Zezinhos, mesmo em cidades como a nossa Jacuí! Por aqui tem e tiveram honrados e memoráveis Zés e Zezinhos. Os presentes e ativos, tanto Zé como Zezinho, fazem o bem e zelam pela nossa cidade. E os do passado, de saudades, cada um no seu tempo, deixaram legados inesquecíveis. Vamos a eles? Com muita honra: Zé Silva e seu fusquinha, amigo e o faz tudo em serviços essenciais – Zé Borges, o Zezé do sô Dino, implacável fiscal da receita estadual – Zé Miranda, atuante na Coletoria Estadual – Zé Periquito da Filhuca, comerciante – Zé Aparecido do Moacir – Zé Urias, sitiante –Zé Vicentão, pai do sr. Zezinho Vicente –Zé Eulâmpio, incansável secretário Municipal – Zezé do Jorge Simão, advogado – Zé Jaime, vereador – Zé Cândido, Coletor – Zé Pinati, sitiante – Zé Tunico, pai do Chico Loteria –Zé Roberto Ananias, empresário, alto QI – Zé Bolgate, Padeiro – Zé Domingos Miranda, o tio Neguinho – Zé da Fiica, sorveteiro na praça – Zé do Ozório Neto, fazendeiro – Zé do Tuniquinho Neves, farmacêutico – Zé Carlos Miranda, músico e compositor, filho do padre Cacau – Zé Augusto de Oliveira, comerciante – Zé Junqueira, fazendeiro e estudioso – Zé Reis, irmão do nosso João Reis – Zé Nicolau, irmão do Tufi – Zé Martinho, sitiante – Zé Jorge, comerciante e cozinheiro dos romeiros e pescadores –Zé  Rafael, Juiz de Direito – Zé Orlando Pereira, médico, o Tuta – Zé Roberto do sô Avelino – Zé da Fausta, produtor de rosas – Zé do Floro, Delegado de Polícia – Zé Bernardino, famoso por seus ternos de brim – Zé Eduardo de Souza, eterno secretário municipal de obras  – Zé Mané, fazendeiro – Zé  Quinzote, agricultor –Zé  Bixiga, corretor – Zé Pereira do Nascimento, o Juca Oleiro – Zé Batista da Silva, o Sr. Zequinha da venda – Zé Roberto Ribeiro, funcionário público – Zé Monte Alegre, bancário – Zé do Poste, comerciante – Zé Abrão, artesão, faz esteira para carros de bois – Zé de Abreu Neto, escriturário – Zé Altino, comerciante – Zé Jorge de Miranda, meu irmão, experiência em em linha de transmissão – Zé Flávio da Flávia Coelho – Zé Horácio, fazendeiro – Zé Varisto, açougueiro – Zé Adão, tio do Lobinho – Zé Galinha, funcionário público – Zé Tereza do clã Oliveira – Zé Eduardo, sapateiro - Zé Honorato, caminhoneiro  – Zezito do Sr. João Salgado – Zé  Bueno, professor – Zé Gordo, vereador e empresário – Zé Pereira, farmacêutico – Zé do Boanerges, pedreiro - Zezinho Marcondes, da Veronquinha – Zezinho do posto, empresário – Zezinho da farmácia – Zezinho Miranda, músico organista e contador – Zezinho Aguiar, construção civil – Zé Queijeiro, do laticínio – Huzzé do GOB e da GL. Confesso, foi alegre, e triste, e emocionante, reviver os momentos dos Zés e Zezinhos. E tem muitos outros...  Através deles, presentes e ausentes, rememorar, ou seja, trazer à memória fatos e feitos de cada um faz um bem danado pra gente.

Fernando de Miranda Jorge

Acadêmico Correspondente da APC

Jacuí/MG – e-mail: [email protected]