Existem outras coisas mais

Publicado em 13/01/2020 - ponto-de-vista - Da Redação

Existem outras coisas mais


“Ainda bem que sempre existe outro dia. E outros sonhos. E outros risos. E outras pessoas. E outras coisas”. Ainda bem que existiu, e existe na memória, a escritora e jornalista naturalizada brasileira Clarice Lispector, para nos ensinar que não existem meios termos: ou tudo, ou nada. Existem pessoas inteiras. Pessoas vazias são chatas... Outras coisas... Vivemos um mundo mais complexo do que queremos. Do que precisamos. Onde sobra informação e falta tempo para decifrarmos todas as demais. Mas existem outras coisas... Coisas boas em nossa vida, que acabamos não notando. Coisas simples, pequenas, algumas grandes que acontecem, ou já aconteceram durante o tempo em que passamos preocupados. Vamos ver alguns momentos: ler um livro ou matérias publicadas; escrever crônicas e editoriais; ouvir bem alto as músicas preferidas; tocar um instrumento musical se conseguir; ver lembranças vividas com nossos filhos; acompanhar o desenvolvimento e crescimento de nossos netos (até onde der) e vangloriar, encher de glória por suas inquietudes, e inteligências; curtir o pôr do sol, o silente despontar da lua; viajar; ter um amigo verdadeiro; dormir; silenciar, ficar sozinho; em uma plataforma panorâmica, apreciar a paisagem, o verde, o horizonte longínquo, o nada e o tudo; pensar e, através destes pensamentos, resolver as coisas e encontrar soluções. Essas são só algumas coisas... O importante é viver o mais intensamente possível e aumentar essa lista. Viva! Enfim, como iniciei com Clarice Lispector, termino com a própria: Qualquer um pode amar uma rosa, mas é preciso um grande coração para incluir os espinhos.

Fernando de Miranda Jorge

Acadêmico Correspondente da APC

Jacuí/MG – e-mail: [email protected]