Servidores em Minas são comunicados sobre protocolos de retomada do trabalho presencial

Publicado em 29/09/2020 - politica - Da Redação

Servidores em Minas são comunicados sobre protocolos de retomada do trabalho presencial

Governo estadual tem divulgado normativas para retomada, que deve acontecer em breve


Os servidores do governo estadual foram comunicados sobre protocolos para a retomada do trabalho presencial. Para aqueles que trabalham na Cidade Administrativa, situada na capital, a estimativa é que as estações de trabalho voltem a ser parcialmente ocupadas em breve. Conforme o Executivo, a retomada das atividades só pode ocorrer em regiões que entraram na Onda Verde, segundo critérios do programa Minas Consciente. A Cidade Administrativa, no momento, está na Onda Amarela. No bairro Serra Verde, onde a sede do governo está situada, já foram registradas seis mortes por Covid-19.

A decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado no dia 15 de setembro. Nos últimos dias vários órgãos, secretarias e autarquias começaram a divulgar suas portarias com normas específicas para o retorno ao trabalho presencial.

Segundo o governo, 80% dos servidores do Executivo estadual estão em teletrabalho atualmente. Cada secretaria pode estipular suas regras próprias sobre atividades prioritárias, mas a orientação é que 20% dos servidores que atuam na Cidade Administrativa retornem ao trabalho. Para a Fundação Clóvis Salgado, que administra o Palácio das Artes, no centro, o percentual máximo de retorno ficou definido em 30%.

Os servidores terão que cumprir alguns protocolos, como passar por aferição de temperatura, usar máscaras e praticar o distanciamento social, entre outras orientações. Na semana passada, as instalações da Cidade Administrativa passaram por desinfecção feita com apoio de militares do Exército.

Na lista de secretarias que já publicaram suas orientações de retorno constam Fazenda, Justiça e Segurança Pública, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Educação e Desenvolvimento Econômico. Advocacia-Geral do Estado, Instituto Mineiro de Agropecuária, Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA) e Fundação João Pinheiro completam a relação.


Por RAFAEL ROCHA -JORNAL O TEMPO