EM NOME DO PADRE

Publicado em 04/02/2013 - paulo-botelho - Paulo Botelho

 

Por Paulo Botelho

Atarracado, olhos miúdos por detrás de grossas lentes, o frade franciscano holandês abre a portinhola do confessionário e traça, com a mão direita branca, leitosa, o sinal da cruz, perguntando: “Você fez  porrcarrias (sic) sozinho ou com outro?” – O cheiro nauseabundo de seu hálito me fez responder, irritado: com outra. – “Reze 200 padre-nossos como penitência e não peque mais.”

Depois de mais de 50 anos, estou esperando que Spinoza, um outro holandês, satisfaça a minha curiosidade: ele dizia que quando a gente morre fica sabendo de tudo aquilo que não sabíamos. – Será mesmo?

Há, mais ou menos, uns quatro anos, antes de sua morte, minha mãe resolveu rever o seu “filho-de-leite” que mora em São Paulo. Ele atende pelo nome de Dom Fernando Antonio Figueiredo, Arcebispo da Diocese de Santo Amaro. Explicando: antigamente, quando uma mãe não tinha leite suficiente para amamentar o seu bebê, tinha que providenciar uma “mãe-de-leite”. Foi esse o caso da mãe do Fernando Antonio.  Além de Arcebispo de Santo Amaro, ele é uma celebridade, mais conhecido como “o bispo do padre Marcelo Rossi”. Sorridente e  maneiroso, ele lembra um pouco o ator americano Gary Grant desidratado.  Minha mãe, então com quase 90 anos de idade, chega ao Palácio Episcopal acomp anhada de uma cunhada. Fernando Antonio recebe a visita por pouco mais de cinco minutos e manda o seu secretário providenciar dois presentes: um santinho para cada uma delas.

Mas, o que se faz em nome do padre? – Leonardo Boff, o principal formulador da Teologia da Libertação, teve de se sentar no mesmo banquinho de Galileu e Giordano Bruno. Promotor da Inquisição: Joseph Ratzinger, o padre maior da Igreja Católica, atual Papa Bento XVI. Boff saiu da Igreja e se casou com sua secretária, mas continua escrevendo e ministrando, não mais os sacramentos, mas aulas.

Uma das razões pelas quais deixei de ter religião é que a fé não dá respostas; só impede perguntas.

Paulo Augusto de Podestá Botelho é Professor, Escritor e Consultor de Empresas. Associado-Docente da SBPC – Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.