Jorge Vanderley: A essência em relações humanas

Publicado em 08/12/2019 - especial - Da Redação

Jorge Vanderley: A essência em relações humanas

Todos nós, imperfeitos e falíveis seres humanos, temos na infinita complexidade de que somos dotados, características diferenciadas que definem o caráter, personalidade e tudo aquilo intimamente ligado ao perfil.

A turma de 1953, primeira a ingressar na Agrotécnica de Muzambinho tinha algo relevante e potencializador – a busca incessante do sucesso, das ações positivas em benefício da coletividade.

No decorrer do tempo de aprendizado responsável e convívio bem humano, surgiram as principais tendências de cada aluno. Observando com muita atenção o grupo, notava-se que um dos colegas, procedente de Nova Resende, Minas Gerais, preocupava-se de forma espontânea com seus conterrâneos. Não era só isso. Atencioso, gentil e prestativo, ele conquistava a amizade de todos.

Com convicção, pode-se afirmar que ali surgia um novo Hermes, considerado na mitologia grega como o “Correio dos Deuses”, levando e trazendo informações preciosas pelo zodíaco. Essa virtude confirmou-se ao longo dos anos.

O mistério está desfeito, pois o nome desse conceituado personagem é Jorge Vanderley, o guerreiro amigo e versátil que está alerta e pronto para a ação a favor do bem comum. Ele tem uma imensa legião de admiradores entre aqueles que o conhecem.

Torcedor apaixonado da Agrotécnica no futebol e em outras atividades, inclusive da famosa fanfarra de outros tempos. Com galhardia enfrentou as dificuldades da transferência inexplicável e injusta de alunos para outros estabelecimentos de ensino, mostrando seus predicados admiráveis.

Formou-se como técnico gabaritado em agronomia. Buscou aprimorar seus conhecimentos para a nova jornada. Foi selecionado pelo Instituto Brasileiro do Café, IBC, onde desenvolveu excelentes trabalhos, tornando-se indispensável como profissional e homem.

Foi pessoa de confiança de seus superiores e requisitado permanentemente pelos produtores da região.

Casou-se e constituiu família digna, sendo um exemplo a ser seguido. Tornou-se homem maduro e grande conselheiro. É feliz com a presença insubstituível de sua magnânima esposa sempre cordial e prestativa.

Foi convocado para reforçar a equipe da Cooxupé, maior cooperativa de exportação de café mundial.

Sua competência e diplomacia levaram-no ao cobiçado cargo de Relações Públicas e Consultor. Podia-se compará-lo a um novo Barão do Rio Branco.

Sua contribuição foi decisiva e fundamental ao desenvolvimento da instituição.

Nos dias atuais, o Jorge é um homem realizado, aposentado e no rol das pessoas com 80 anos, assim como seus amigos e colegas dos anos 60.

É justa e necessária essa pequena lembrança do nosso ídolo, que continua mais alegre e eficiente. O agora é importante, pois estamos homenageando um dos nossos melhores companheiros!

Entretanto, se você quer saber de algo recente ou remoto, que venha a contribuir para o bem de todos? Procure o Jorge Vanderley e será prontamente atendido!

Olhe, é muito corriqueiro vê-lo em hospitais, velórios e em quase todos os eventos do cotidiano. Desempenha com humildade e simplicidade funções relevantes, que contribuem para diminuir a tristeza ou aumentar a felicidade de cada um. Você continuará no tempo, na memória e no coração de todos nós. Obrigado.

Adair de Paula Aguiar | Ex-aluno (turma de 1953)