Costureiras fabricam máscaras de tecido e doam para hospitais e pacientes em MG

Publicado em 01/04/2020 - especial - Da Redação

Costureiras fabricam máscaras de tecido e doam para hospitais e pacientes em MG

As boas ações têm unido grupos de pessoas interessadas em ajudar hospitais, profissionais de saúde e quem está diretamente envolvido na rotina de pacientes com o coronavírus. No Sul de Minas, uma das ações é de produção de máscaras de tecido. Em cidades como Muzambinho, Monte Belo e Juruaia, este trabalho tem ganhado espaço.

Em Muzambinho (MG), as máscaras são feitas por alunas de um curso de corte de costura. Com o uso de TNT, as 16 alunas trabalham desde segunda-feira em um esquema de revezamento para evitar aglomerações.

O espaço utilizado é a chamada Casa do Empreendedor. Por dia, são quatro pessoas trabalhando.

Até hoje, foram produzidas 150 máscaras, mas o objetivo é que o número chegue a 1.500. As máscaras são distribuídas a pacientes em tratamento de câncar, hemodiálise, que geralmente precisam ir para outras cidades.

Todo o trabalho é orientado por uma enfermeira, que determina o tamanho das máscaras, garantindo a segurança. As doações chegam às pacientes por meio de um cadastro na Secretaria Municipal de Saúde.

Monte Belo

Em Monte Belo, sete costureiras fabricaram mais de 2 mil máscaras descartáveis para a Santa Casa de Misericórdia. Elas fazem parte da Associação Montebelense de Moda Íntima (AMMO). O material usado também é o TNT.

A cidade é conhecida pela produção de lingeries e uniformes. O material, antes do uso, passa por esterilização.

Depois, é entregue apenas para pacientes que aguardam por atendimento no pronto-socorro. Os pacientes que chegam com sintomas da Covid-19 recebem a máscara cirúrgica, que é mais segura e atende o protocolo do Ministério da Saúde.

Com a sobra do material, algumas costureiras ainda pretendem produzir mais máscaras para a cidade vizinha de Cabo Verde (MG). Também serão produzidas mais máscaras para cuidadores de idosos.

Juruaia

Em Juruaia, um dos polos de moda íntima do país, são várias as iniciativas de fábricas que deixaram de produzir os materiais originais e deram foco à produção de máscaras de tecido. Uma delas já destinou 500 peças para a Secretaria de Saúde de Poços de Caldas.

A previsão é que mais 1 mil máscaras, apenas desta confecção, chegue à cidade até o dia 10 de abril.

Fonte: G1 Sul de Minas