UNIFAL-MG concede auxílio financeiro a estudantes em vulnerabilidade socioeconômica para compra de computador e internet

Publicado em 11/07/2020 - educacao - Da Redação

UNIFAL-MG concede auxílio financeiro a estudantes em vulnerabilidade socioeconômica para compra de computador e internet

Com o início do Ensino Remoto Emergencial (ERE) no próximo dia 3 de agosto, as atividades dos cursos de graduação da UNIFAL-MG serão retomadas por meio de tecnologias de ensino remoto. E para atender aos universitários com dificuldade de acesso à internet e computadores, a UNIFAL-MG vai conceder auxílio para estudantes em vulnerabilidade socioeconômica para aquisição do equipamento e, também, emprestar notebooks. As solicitações devem ser feitas até o dia 20 de julho, em formulário disponível na página da Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis (PRACE).

O auxílio financeiro, de R$ 2.200, é destinado aos discentes atendidos pelo Programa de Assistência Prioritária matriculados em disciplinas do ERE que não estejam em dilatação de prazo de curso. Os recursos previstos para ação, segundo o professor Wellington Ferreira Lima, pró-reitor de assuntos comunitários e estudantis, é de 999 mil reais e podem chegar a 1,5 milhões, em caso de novos repasses orçamentários pelo Governo Federal.

De acordo com o pró-reitor, a instituição do auxílio permite equalizar as condições de aprendizagem no ensino mediado por tecnologias entre os estudantes. "É importante ressaltar que o estudante que receber os auxílios e não cursar o ERE deverá ressarcir os cofres públicos. No caso da aquisição, ele também deverá apresentar nota fiscal em seu nome ou no de algum dos membros da família cadastros no Sistema de Assistência Prioritária", alertou.

Além do auxílio para aquisição de computadores, a UNIFAL-MG também disponibiliza uma bolsa para pagamento mensal de pacote de dados de internet durante o Ensino Remoto Emergencial.  Ainda com informação da Prace, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), órgão responsável pela internet das instituições federais de ensino, anunciou apoio aos estudantes para acesso à internet. "Se isso se concretizar, poderemos cessar o auxilio internet e concentrar mais recursos na aquisição de máquinas", disse o professor Wellington Lima.

Para quem não for beneficiado com o auxílio financeiro, a UNIFAL-MG vai emprestar notebooks de forma a possibilitar as condições tecnológicas para o ERE. O empréstimo também contempla os discentes não inseridos no Programa Assistência Prioritária da Prace. Com a colaboração do Instituto de Química (IQ), Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL), do Sistema de Bibliotecas (SIBI) e o Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI), mais de 100 máquinas serão disponibilizadas para empréstimo.

Para viabilizar a retomada das atividades da graduação pelo ERE, a UNIFAL-MG desenvolve outras ações de preparação da comunidade acadêmica.  Para os docentes, o Programa de Desenvolvimento Profissional e Formação Pedagógica Docente (Prodoc) e o Centro de Educação Aberta e a Distância (Cead) oferecem capacitações para utilização ferramentas tecnológicas no ensino. Aos discentes, por meio da parceria entre o Programa de Incentivo ao Desenvolvimento Acadêmico (Progrida), UNIFAL Sem Estresse (USE) e Departamento de Acompanhamento e Apoio (DAA) da Prace, são oferecidos eventos focados em questões psicossociais da adoção do regime remoto para os estudos. Para o uso instrumental de tecnologias de aprendizagem, a Assessoria de Pedagógica do campus Poços de Caldas, criou oficinas pedagógicas para estudantes realizadas semanalmente.

O reitor da UNIFAL-MG, Prof. Sandro Amadeu Cerveira, ressaltou a importância da concessão de auxílios aos estudantes. "É o resultado do esforço conjunto das Universidades Federais junto ao Ministério da Educação. E, também, é uma conquista da UNIFAL-MG para garantir que a vulnerabilidade socioeconômica dos nossos estudantes não os impeça de continuarem os estudos".  O reitor da UNIFAL-MG apontou que a mobilização em torno do ERE busca soluções e alternativas para que a formação dos estudantes não seja prejudicada durante esse período de pandemia. "É o compromisso da universidade pública com a gratuidade e a acessibilidade de todos e todas ao ensino superior", finalizou.