A Voz de Todos - Edição 933

Publicado em 27/04/2009 - editorial - Ivon W. Vieira

PENSAMENTO DA SEMANA: “O Pessimista vê dificuldade em cada oportunidade, o otimista vê oportunidade em cada dificuldade.” (Wiston Churchill)

VITORIOSA CAMINHADA DA FOLHA REGIONAL – Muzambinho já teve diversos periódicos, tais como “O Muzambinho”, que era o órgão oficial da Prefeitura e depois passou a ser do PSD, antigo Partido dos “Picapaus”; na mesma época “O Muzambinhense”, que era da UDN, ou todos “Tucanos” como eram chamados seus partidários. Veio o “Impacto” e outros de menores expressões, até que Cláudio juntamente com Vagner Alves, um muzambinhense abnegado e cheio de novas idéias, resolveram há precisamente 19 anos, fundar o hoje pujante jornal “FR” que abrange toda a região sul-mineira representando os anseios de todos que nela vivem e mourejam. Logo após o segundo número, tomando conhecimento que em São Paulo, por diversas vezes cooperamos com o Jornal da Tarde, contando nossos “causos”, passamos a integrar o corpo de colaboradores, também com artigos sobre a cidade e região. Durante seus dezenove anos de profícua atuação, a “Folha Regional” foi granjeando simpatia e respeito, tornando-se uma lídima representante, não das prefeituras, mas também de todos nós que por aqui vivemos, e inclusive atravessando fronteiras e galgando os postos mais altos no conceito de fidelidade, competência, imparcialidade e o mais importante, o respeito de nossos leitores. Assim sendo, esperamos continuar num diapasão de crescimento constante, e na ágape realizado nas dependências do Restaurante Cesário´s de Muzambinho, pudemos aquilatar o prestígio que nosso jornal goza em todas as hostes que abrange, com a presença maciça de políticos, administradores e componentes de todas as classes, numa demonstração cabal e insofismável de que é um jornal interiorano de gabarito. Sentimo-nos honrados em pertencer ao quadro de colaboradores, e em nosso nome próprio e temos certeza de todos os leitores e também dos funcionários do jornal, rejubilamo-nos com tão grata efeméride, e cantamos em uníssono o PARABÉNS efusivos por mais um ano e que o futuro nos seja mais prósperos e que a “FR” permaneça sempre firme no propósito de bem comunicar, tendo como lema, que sempre foi seu, de credibilidade e imparcialidade na forma de informar seus leitores.

UMA NOTÍCIA BOA: A VOLTA DA FANFARRA DA ESCOLA AGROTÉCNICA – O Nanandi Macedo Bócoli nos informou, bastante alegre, que irá ser o instrutor dos alunos da Escola Agrotécnica Federal de Muzambinho, que formarão uma fanfarra, e serão comprados novos instrumentos, e se tudo correr nos conformes, no treinamento dos alunos, tal fanfarra estará em condições de estrear no dia 07 de Setembro, num belo desfile em comemoração à nossa Independência. Ficamos eufóricos com tal notícia, pois a antiga Fanfarra da Escola era uma das mais extraordinárias de nossa região, juntamente com o Colégio Salatiel. E perguntamos: que tal o Colégio Salatiel trazer de volta sua fanfarra? Vamos aguardar com ansiedade a volta da fanfarra da Agrotécnica, que marcou o seu nome, não só em Muzambinho, como também em desfiles nas cidades vizinhas. E por falar em fanfarras, os leitores lembram-se da “Fanfarra de Lata” da Escolinha Chiquinha Alegretti, do Brejo Alegre? Estamos com saudade!

HÁ 60 ANOS O BRASIL HUMILHAVA SEUS ADVERSÁRIOS COM SUA SELEÇÃO – No dia 16 de abril corrente, o Brasil comemorou a vitória da Seleção Brasileira de Futebol sobre a Bolívia por 10 a 1, e a nossa linha atacante era formada por cinco craques inesquecíveis, ou seja: Tesourinha (do Internacional de Porto Alegre), Zizinho (Flamengo), Heleno de Freitas (Botafogo), Jair da Rosa Pinto (Vasco) e Ademir Menezes (Vasco). Os demais jogadores: Barbosa (Vasco), Augusto (Vasco), Mauro (São Paulo), Bauer, Rui e Noronha (São Paulo). Na reserva tínhamos Nininho e Simão (Portuguesa), Cláudio (Corinthians), Eli, Danilo e Wilson (Vasco) e também Otávio (Botafogo). O técnico era Flávio Costa. O time do Brasil era tão forte que venceu o Equador por 9 x 1, Colômbia por 5 x 0, Peru por 7 x 1; Uruguai por 5 x 1; Paraguai por 7 x 0; Chile por 2 x 1. Outros jogadores que atuaram Juvenal, Friaça e Chico. O Brasil chegou a perder um jogo para o Paraguai por 2 x 1. A Argentina não disputou aquele campeonato. O campeonato foi disputado no Rio de Janeiro em 1949 (Campeonato Sul Americano). Em 1950 perdemos o Campeonato Mundial em pleno Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, quando fomos derrotados pelo Uruguai por 2 x 1, e o pior é que o Brasil jogava pelo empate, e o Brasil marcou o primeiro gol, perdendo de virada. Foi o dia mais triste do futebol brasileiro, que depois venceu quatro Copas Mundiais, começando em 1958 na Suécia, quando apareceu um menino de 16 anos chamado Edson Arantes do Nascimento (Pelé). O Brasil começou a mostrar seu futebol para o mundo na Copa do Mundo de 1938, disputado na Itália, e somente perdemos o último jogo por 2x1 justamente para a Itália. O time do Brasil era: Batatais, Domingos e Machado; Zezé Procópio, Martim e Afonsinho; Lopes, Romeu, Leônidas, Perácio e Hércules (este nascido em Guaxupé). Os reservas: Walter Jaú e Nariz; Brito, Brandão e Argemiro; Luizinho Roberto, Niginho, Tim e Patesko. A partir daí  é que o Brasil passou a ser respeitado no mundo todo, e muitos jogadores começaram a irem jogar na Europa. Éramos tão fanáticos pelo jogador José Perácio, que na infância tínhamos o apelido de Perácio, que tinha um chute fortíssimo. Quem deu esse apelido a nós foi o Titico Varoni, quando ainda garoto completávamos os treinos do Atlético quando faltava algum jogador para completar o time reserva, e não perdíamos um treino e quando adulto passamos a integrar o time principal. São reminiscências que não esquecemos.

OBELISCO DO JARDIM SUJO E ABANDONADO – O obelisco que fica em nosso Jardim da Praça Pedro de Alcântara Magalhães que foi edificado para comemorar o IV Centenário do Descobrimento do Brasil e onde consta uma placa em homenagem aos nossos pracinhas que serviram na II Guerra Mundial precisa de uma reforma, pois está todo descascado e até sujo, merecendo uma pintura nova e limpeza geral. Tiramos uma foto do mesmo que está em estado deplorável. É ver para crer!

MUZAMBINHO SEUS “REIS E RAINHAS”! – Muzambinho sempre se destacou no cenário geral: no esporte não podemos esquecer de Sebastiãozinho Pereira e Corote no futebol; Hirma Salomão e Iolanda Carnevalli no basquete; no atletismo Angu e Edson Dino; na natação Dr. Antônio Nilo de Macedo e também na medicina; na beleza o destaque sempre ficou com Mirtes Siqueira Gonçalves e Nininha Martins de Oliveira; na poesia não podemos esquecer de Pedro Saturnino e Joaquim Giraldi; na advocacia Lafaiete Navarro, Dr. Luiz Leite (Lulu) e Nicolau Introcaso; no canto temos ainda Acácio e no passado Carminha Mascarenhas. No Teatro A. Azevedo, Ivonete Vieira; na Política Dr. Lycurgo Leite Filho; Dr. João Marques de Vasconcelos. Na história d acidade, Pedro de Alcântara Magalhães, seu fundador; e mais Vieira Homem, e muitos outros. Este comentário é apenas um resumo pois Muzambinho sempre se destacou em todos os setores da vida, e agora temos Welligton Oliveira e Milton Neves, na TV, como lídimos representantes de nossa cultura. Eta Muzambinho danada! E com orgulho agora nas novelas o nosso sobrinho Alexandre Nero, filho de nosso saudoso irmão Ibrahim. Professores nomeados: D. Nenê e Antonieta Introcaso, Salathiel de Almeida, D. Olga Cerávolo Rezende, Prof. Saint´Clair Magalhães Alves; Dr. Antônio Magalhães Alves; Nestor Lacerda, Dr. Ary de Almeida; Petronilha Inacarato Bueno; Elvira Magalhães Prado, Henriqueta Araújo, entre outros. Na justiça temos o Ministro Vantuil Abdala, Hugo Bengtson Filho, Ivan de Macedo e Elaine Pulcinelli Vieira. Na medicina Dr. Talcídio de Oliveira, Dr. Antero Veríssimo da Costa, Dr. José Januário de Magalhães, Doutores Ismael e Fábio de Oliveira Coimbra e Rossana Pulcinelli Vieira; e na medicina esportiva o Dr. Vicentinho Rondinelli. Em todo setor da vida humana sempre tem um muzambinhense em destaque.

CURIOSIDADES SOBRE NOSSAS CIDADES – Vocês sabiam que Muzambinho teve como seu primeiro nome São José da Boa Vista e depois Muzambinho, e somente em 19/11/1872 passou a ter o nome atual? Nova Resende chamava-se Santa Rita e Vila Nova; Monte Belo, Capela dos Lopes; Juruaia era São Sebastião da Barra Mansa; Alpinopólis era Ventania; Guaxupé, Dores de Guaxupé; Guaranésia, Santa Bárbara das Canoas; Juréia era Tuiuti; Conceição da Aparecida era Barro Preto; e ainda existem outras cidades que precisaram adaptar seu nome, pois no Brasil existiam diversas cidades em outros estados com o mesmo nome. Exemplo uma cidade de Minas, mais antiga, tem o nome de Rio Preto, razão pela qual a de São Paulo foi obrigada a mudar para São José do Rio Preto; o mesmo acontecendo com São José do Rio Pardo, pois existe uma anterior de nome Rio Pardo e vai por aí afora. No Paraná, tem uma de nome Palmeira, e em Alagoas precisou mudar para Palmeira dos Índios. Se houver algumas outras, solicitamos aos nossos leitores que nos informem para tomarmos conhecimento. Alterosa era Serra Negra.

A ORIGEM DA COMEMORAÇÃO DO “DIA DAS MÃES” – Uma jovem americana, Annie Jerwis, perdeu sua mãe e entrou em completa depressão. Preocupadas com aquele sofrimento, algumas amigas tiveram a idéia de perpetuar a memória da mãe de Annie com uma festa. Annie quis que a homenagem fosse estendida a todas as mães, vivas ou mortas. Em pouco tempo, a comemoração se alastrou por todo o país, e em 1914, sua data foi oficializada pelo Presidente Woodrow Wilson; dia 9 de maio. No Brasil, o Dia das Mães é celebrado no segundo domingo de maio, conforme decreto assinado em 1932 pelo Presidente Getúlio Dornelles Vargas. (Livro o Guia dos Curiosos, de Marcelo Duarte). Neste ano será comemorado no dia 09 de maio. Na Igreja Presbiteriana Independente, da qual fazemos parte, quando criança entregávamos uma rosa vermelha para as mães vivas, e os que tinham suas mães já falecidas, simbolicamente, recebiam uma rosa branca. São lembranças que jamais esquecemos. Hoje o Dia das Mães é mais comemorado no comércio, com presentes, jantares, o que também é muito justo, pois como dizem os poetas: “Ser mãe é o ato mais sublime de uma mulher”! E para coroar temos o “M” de Mãe na palma de nossas mãos! Lembre-se a nosso favor: para se tornar mãe, é preciso de um pai!

FALECEU EM SÃO PAULO O ADVOGADO WALDYR TRONCOSO PEREZ – Faleceu e foi sepultado em São Paulo, Capital, o grande, senão o maior advogado criminalista de seu tempo, Dr. Waldyr Troncoso Perez, que era nosso amigo e freqüentava o escritório onde trabalhávamos. Dr. Waldyr quando atuava no Juri, até os alunos da Faculdade de Direito iam assistir, pois ele era vibrante e suas defesas empolgavam a todos os presentes. Durante alguns anos ele freqüentava o nosso escritório e mantínhamos longas conversas, pois ele sabia que tínhamos atuado como Escrivão Criminal por muitos anos em Muzambinho. Ele faleceu no dia 17 do corrente mês e a Justiça Criminal perdeu um grande advogado. Uma das frustrações de nossa é não termos continuado os estudos e nos tornarmos um advogado. Enfim... não podemos mudar nosso destino! Quando morávamos em São Paulo fizemos diversos trabalhos para ele, datilografando seus pareceres e defesas. Ele tinha 85 anos de idade e embora fosse advogado em São Paulo, era natural de Vargem Grande do Sul (SP), deixando viúva, filhos e netos. A Missa do Sétimo Dia foi no dia 23 na Igreja Nossa Senhora do Brasil, em São Paulo.

PIADA DA SEMANA: O GORILA E O CACHORRO CASTRADOR – Um homem encontra um Gorila em sua árvore no quintal. Assim, liga para o Serviço de Remoção de Gorilas e ouve a pergunta: É macho ou fêmea? Macho, respondeu o homem. Meia hora depois, o Técnico chega e seu utiliza de ferramentas como uma vara, um pequeno cachorro, um revólver e um par de algemas. E dá instruções: Eu vou subir na árvore e cutucar o gorila até ele cair. Depois, o meu pequeno cachorro, treinado, irá tentar arrancar os testículos do animal. Assim, o gorila irá usar as mãos para se proteger, permitindo que você algeme. O homem pergunta: E o que eu faço com o revólver? Se eu cair da árvore antes do gorila, atire no cachorro. (??)