COLUNA MG (16 de Novembro)

Publicado em 16/11/2017 - coluna-minas-gerais - Da Redação

COLUNA MG (16 de Novembro)

Sistema Acip/CDL anuncia cartão de crédito

            O Sistema Associação Comercial de Ponte Nova - Acip/CDL apresentou ontem o novo serviço em parceria com a BrasilCard e a Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado de Minas Gerais/Federaminas. Trata-se do Cartão Crediário BrasilCard-Federaminas, com aprovação de crédito mínimo e imediato de R$ 300,00, o qual não exige comprovante de renda e endereço. "Um cartão mais voltado para um mercado de clientes que não possuem cartão de crédito, talão de cheques e nem ficha no crediário próprio, tradicional nas lojas", informa nota da Acip/CDL. (Folha de Ponte Nova)

 

UPA de Divinópolis normaliza atendimentos

            O corpo clínico da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Padre Roberto em Divinópolis concordou em normalizar os atendimentos na quarta-feira, 15, após a Prefeitura prometer pagar os salários atrasados. No dia anterior os profissionais passaram a atender apenas a casos considerados como de urgência e emergência, em forma de protesto contra os atrasos nos pagamentos. Como o repasse de R$ 500 mil do governo federal já foi depositado, o salário referente a agosto deverá ser pago até a próxima quarta-feira, 22. (Portal Agora - Divinópolis)

 

Estação de Esgoto chega a 95% das obras

            A Estação de Tratamento de Esgoto (ETE-1), no bairro Córrego D"antas, na zona rural está com 95% das obras civis concluídas. Os trabalhos estão sob a responsabilidade do Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE), desde maio deste ano, quando foi rompido o contrato com a empreiteira responsável pelos serviços. O diretor do Departamento, Antonio Menezes, informou que o projeto está orçado em R$ 12 milhões, com valores financiados pela Caixa Econômica e contrapartida do Dmae, de 45% do total. Com a conclusão da ETE1, Poços de Caldas vai coletar 100% e tratar cerca de 60% do esgoto produzido na cidade, inclusive da zona rural. (Jornal da Cidade - Poços de Caldas)

 

Audiência discute interrupções de energia

            O Ministério Público  de Minas Gerais (MPMG)  realiza no dia 24 de novembro  Audiência Pública para  discutir os problemas ocasionados pelas reiteradas  interrupções do fornecimento de energia elétrica  pela Cemig, suas causas  e suas consequências. Durante a audiência,  a Promotoria de Justiça  da Comarca de Turmalina  pretende ouvir autoridades, órgãos públicos, a  população interessada,  a empresa prestadora do  serviço público e a agência  reguladora a respeito dos  problemas relacionados às  constantes interrupções de  energia elétrica em Malacacheta, suas causas, bem  como as consequências  para a população. (Tribuna do Mucuri)

Hospital Regional realiza a primeira cirurgia

            Hospital Regional José de Alencar realizou sua primeira cirurgia nesta terça-feira, 14, conforme cronograma da implantação do hospital. O paciente foi transferido pela Central de Regulação da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) São Benedito, em Uberaba, com uma fratura no fêmur. Neste início de atividade do bloco cirúrgico, o foco será a clínica cirúrgica na ortopedia. Atualmente, o HR conta com uma média de 30 pacientes internados, esse número oscilando a cada dia, conforme recebem alta e novos pacientes chegam. (Jornal da Manhã - Uberaba)

Escola estadual de inclusão pode fechar

            A única escola estadual especializada no atendimento a alunos com necessidades especiais em Uberlândia corre o risco de fechar as portas caso a política de educação inclusiva, que visa integrar estudantes com deficiências em escolas regulares, não seja flexibilizada ou ao menos revista pelo Governo do Estado. É o que constataram representantes da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). A Escola Estadual de Educação Especial Novo Horizonte, em Uberlândia, atende hoje cerca de 250 alunos, sendo que 90% têm alguma deficiência intelectual ou múltipla (deficiência intelectual associada a outras dificuldades motoras). (Diário do Comércio - Uberlândia)

 

Obras paradas terão andamento retomado

            O Governo Federal lançou na última quinta-feira, 9, o "Programa Avançar" que pretende retomar obras paradas nos últimos anos no país. Em Varginha são oito obras em parceria que serão terminadas até 31 de março de 2018. O site do programa lista também três obras de coberturas de quadras esportivas em escolas estaduais em convênio com o Governo Federal. Uma delas com 100% do aporte financeiro feito e 92% em obra iniciada em 2012. Outra, iniciada em 2014 tem previsão de término no ano que vem, com aportes de R$ 82.168,44. E uma terceira, iniciada em 2014, com apenas 40% concluída, também com previsão de aportes de R$ 82.168,44. (Gazeta de Varginha)

 

Testemunhas de Jeová promovem Assembleia

            A cidade de Piedade de Caratinga sediará a Assembleia de Circuito das Testemunhas de Jeová. O evento religioso acontecerá neste sábado, 18. O encerramento está marcado para as 15h55. "Não desista de obedecer à lei do Cristo!" é o tema da assembleia. Segundo a organização, a programação dará atenção ao exemplo de Cristo contido na Bíblia, "e quem estiver presente, descobrirá como seguir este exemplo pode ser benéfico para nós". (Diário de Caratinga) 

ASCOM

Dos fins dos Confins e da Pampulha

 Stefan Salej

A decisão de reativar os voos de aviões de grande porte para a Pampulha é a flecha de morte no coração de um projeto maior que  é um aeroporto chamado de Tancredo Neves, nas proximidades da capital mineira e administrado pela concessionária BH Airport. Na mesa estão todas as emoções imagináveis, inclusive  declarações inadequadas do prefeito da capital, mas pouca racionalidade.

                Entre as emoções devem-se incluir também os sentimentos dos passageiros que, para usufruírem da comodidade de uma distância menor, terão que se sujeitar às péssimas condições do aeroporto da Pampulha. Não tem finger (Confins tem 26 pontes de embarque/desembarque), nos dias de chuvas há alagamento e de noite, os taxis somem. O aeroporto que sustenta o nome do poeta que saiu e não voltou a BH, é dos piores do mundo em termos de infraestrutura,  que foi suportada, inclusive com pousos criativos pelos pilotos experientes, nos dias de chuva, pelos passageiros. Mas, a comodidade de uma viagem mais curta, especialmente pelos ansiosos por trabalhar mais e conviver mais com a família tradicional mineira, compensam os riscos de incomodo e de falta de segurança. Não se esquecendo de que, para o aeroporto ser novamente operacional no seu nível de qualidade e segurança mínima, a Infraero, leia-se  o governo e as empresas, terão que investir, o que vai elevar o custo da passagem.

                Mas, vale a pena lembrar que, quando o aeroporto de Confins foi construído há 33 anos, e o projeto era de conectar Minas com o mundo (dos 42 destinos hoje, 4 são internacionais, além de servir para trânsito de cargas com infra estrutura de alfândega eficaz para a internacionalização das empresas mineiras, que importavam via São Paulo e Rio) . Em torno do aeroporto havia a intenção fazer uma zona industrial avançada, inclusive com serviços na área aeronáutica. BH teria assim um aeroporto de grande porte e mais um, além do militar de Lagoa Santa, na cidade, com serviços e para voos regionais.

                A decisão da bancada mineira de apoiar a mudança do aeroporto,  aliada aos políticos do PR (segundo a imprensa nacional), demonstra claramente que quem manda na política mineira e nos seu desenvolvimento é o ex-presidiário Waldemar da Costa Neto.

                Mas, a questão mais grave é que você não pode fazer em Minas um contrato, como foi o da a concessão do aeroporto de Confins, que vale, porque você não sabe o que os políticos vão mudar no decorrer do contrato. E, só para lembrar, a concessionária que investiu e modernizou o aeroporto, para alegria dos seus 22 milhões de passageiros (e dos taxistas que cobram realmente uma fortuna), tem sócio suíço, o aeroporto de Zurique.

                E na Suíça, onde todos se conhecem e trabalham juntos, quem terá a coragem de investir num estado onde os políticos trabalham para desrespeitar um contrato? Um tiro no pé da melhor qualidade. E uma mudança no eixo de desenvolvimento em um estado em que o único porto é o aeroporto.

 STEFAN SALEJ, consultor empresarial, foi presidente do Sistema Fiemg e Sebrae MG