COLUNA MG (06 de Setembro)

Publicado em 06/09/2018 - coluna-minas-gerais - Da Redação

COLUNA MG (06 de Setembro)

Amev luta pelos terrenos da RFFSA

            A  Associação  dos Municípios da Microrregião  do  Médio  Rio  das Velhas - AMEV, apresentou  nova  luta  que  agora toma corpo: a  transferência, para  os  municípios,  dos terrenos remanescentes da Rede Ferroviária Federal - RFFSA, localizados em Corinto, Curvelo, Buenópolis, Augusto  de  Lima, Joaquim  Felício,  Santo Hipólito e Monjolos. Prefeitos  das  cidades envolvidas na questão se manifestaram  efusivamente a favor desse movimento. Para  isso,  deverão enviar ao DNIT a  documentação  com dados  dos  terrenos  a serem requeridos. (Jornal Centro de Minas - Curvelo)

 

Novo Cruzeiro inicia Festival da Cachaça

            O charmoso e tradicional Festival da Cachaça de Novo Cruzeiro, em sua edição de número 25, começou na última quinta-feira, 6, e será finalizada no domingo, 9. Em um total de quatro dias de atrações, o evento envolve além das fabricantes de cachaça do município e região, eventos esportivos, beneficentes e festivos para toda a cidade e público visitante. Segundo o governo municipal, milhares de pessoas chegam a Novo Cruzeiro durante o festival para conferir as atrações, que acontecem de dia e a noite, até a sua finalização. (Diário de Teófilo Otoni)

 

Sete Lagoas tem Campeonato de Drift Trike

            Com seus atrativos  naturais, hospitalidade  de sua gente e localização privilegiada Sete Lagoas será sede de uma  etapa estadual de um esporte que, certamente,  muitas pessoas não conhecem. Com apoio da  Prefeitura, por meio da  Secretaria Municipal de  Esportes, a cidade recebe nos dias 8 e 9 de setembro os competidores  radicais do Drift Trike. Criado na Nova Zelândia, capital das atividades de aventura, o  Drift Trike é considerado o esporte radical que  mais cresce no Brasil.  Praticado em ladeiras  com curvas sinuosas,  os triciclos, podem atingir velocidade superior  a 100 km e é garantida  certa de muita adrenalina para quem curte fazer downhill no asfalto.  (Boca do Povo - Sete Lagoas)

 

Desfile de MOC traz a paz como tema

            O tradicional desfile cívico-militar do Dia da Independência promete atrair centenas de pessoas para a avenida Deputado Esteves Rodrigues, em Montes Claros, nesta sexta-feira, feriado de Sete de Setembro. A cerimônia está prevista para começar às 8h em frente ao prédio da Prefeitura. Além das forças militares, do Corpo de Bombeiros e das fanfarras, o desfile, que tem como tema neste ano "Paz amada Brasil", contará com grupos folclóricos, escolas municipais e estaduais, universidades e hospitais. (O Norte de Minas - Montes Claros)

 

EducaTrânsito orienta 273 alunos

            A Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (Settrans) realiza diversas ações durante o ano para a educação no trânsito. Com o Projeto EducaTrânsito, a secretaria leva conhecimento e orientação a 273 alunos da Escola Municipal São Geraldo e toda comunidade escolar. A escola recebe visita dos agentes duas vezes por semana. O Projeto EducaTrânsito é voltado aos alunos do 1º ao 5º ano, e a Escola São Geraldo é uma escola piloto. De acordo com a educadora de trânsito, Consuelo Toledo, toda a comunidade é envolvida nas ações de orientação. (Gazeta do Oeste - Divinópolis)

 

UFU alerta risco de bactéria em frango

            Enquanto nos países europeus e norte-americanos há uma grande preocupação em relação à bactéria Campylobacter, comumente encontrada no intestino dos animais, principalmente aves, e que pode causar graves problemas de saúde aos humanos, no Brasil não há lei específica como forma de coibir a comercialização de alimentos contaminados pelo micro-organismo. Mas, um estudo desenvolvido na Universidade Federal de Uberlândia (UFU) pela bióloga e doutora em medicina veterinária Roberta Torres de Melo é um grande passo para que a legislação brasileira seja modificada. (Diário de Uberlândia)

 

Uberaba inaugura Complexo Esportivo

            A diretoria do Uirapuru Iate Clube (UIC) comemorou a entrega de mais uma ampla e moderna área esportiva para os seus associados, e mais ainda, de poder ter tido a oportunidade de agradecer e homenagear a família Detoni pela constante presença no clube, dando o nome do complexo ao grande empresário Walter Paulo Detoni - in memoriam. A presença do prefeito municipal Paulo Piau, da primeira dama Heloisa Piau, do presidente da Fundação Municipal de Esporte e Lazer (Funel), Luiz Alberto Medina, e de várias outras autoridades fizeram com que a festa fosse ainda mais glamorosa. (Jornal de Uberaba)

 

Alunos participam de Campeonato Kung Fu

            Acontece entre os dias 5 e 9 de setembro o XXIX Campeonato Brasileiro de Kung Fu Wush que será realizado em Londrina, no Paraná. Entre os alunos que deverão representar São Sebastião do Paraíso na disputa estará Yago Carismunde, André Naves, Yago Lovo e Victor Hugo. De acordo com o mestre em Artes Marciais, Márcio Zaqueu, os jovens partiram de viagem na última quarta-feira, 5, para se integrarem a Seleção Mineira. "As chances de conquistar medalhas são promissoras, já que eles vêm treinando com muita garra, disciplina e dedicação. (Jornal do Sudoeste - São Sebastião do Paraíso)


DO BRASIL, JABUTICABAL NO MUNDO 

Stefan Salej 

Sem dúvida alguma, as nossas preocupações com a campanha eleitoral são legítimas. Dizem os especialistas que campanha é campanha, e governar é  governar. E que na campanha o que importa é ganhar voto. E assim a nossa campanha nos leva ver a oitava economia do mundo, com previsão de vir a ser a quarta em vinte anos, limitada aos nossos enormes problemas, mas totalmente distante do que esta acontecendo no resto do planeta. Somos um país jabuticaba, fora do contexto mundial, para os candidatos à presidência. Será que nada do que acontece no mundo nos afeta e nada disso precisa ser discutido porque somos um povo de eleitores ignorantes, que não se interessam pelo que acontece lá fora? Não, mentira. 

Somos um país integrado ao mundo, considerado importante, e o mundo no qual vivemos é importante para nós. E mais, o que acontece no mundo nos afeta muito mais do que se pensa ou quer aceitar. 

A bonança do primeiro governo Lula deu-se em função de altos preços globais de matérias primas, que encheram os cofres do governo, que então podia se dar ao luxo de distribuir parte desses recursos. E o fracasso do segundo governo Lula e, consequentemente, dos governos Dilma, deu-se em parte devido à crise financeira internacional em 2008, que Lula chamou de "marolinha" e disse que o Brasil estava imune. Tão imune estava que a má administração do fenômeno tem consequências até hoje. 

Comércio exterior, aumento de nossa competitividade e mudanças tecnológicas mal são mencionados nos discursos dos candidatos. A guerra comercial provocada pelo atual governo dos Estados Unidos, que nos afeta em grande escala, não existe. A abstração dos conflitos no Oriente Médio, deixando de lado as irresponsáveis declarações populistas de alguns candidatos evangélicos, só confirma o nosso papel de anão diplomático. A saída do Reino Unido da União Europeia e falta de um acordo do MERCOSUL com a União Europeia, que aumentaria os nossos negócios, não são considerados assuntos que poderiam afetar a nossa economia. 

O único item na área externa é a Venezuela, que nos deve 50 bilhões de dólares, e que tratamos mais como um resíduo da política lulo-petista do que como uma questão de política externa do maior país da América Latina, que é o  Brasil. E se não fosse a invasão dos imigrantes em Roraima, que para a população do Sul também não existe, nem essa questão seria debatida. 

O câmbio só interessa discutir porque vai encarecer as viagens internacionais, a gasolina e as remessas de lucros, além do pagamento de nossas dívidas no exterior. Ninguém discute a política de comércio exterior, o fluxo do capital estrangeiro e nem a eventual crise financeira no mundo. 

Bem, se os candidatos não discutem por alegar que o eleitorado não está interessado, ainda pode ser compreendido, apesar de não ser verdadeiro. Mas que os economistas dos candidatos prefiram evitar essa discussão, é preocupante. 

Se vier uma nova crise financeira, se o conflito comercial entre os Estados Unidos e China se prolongar, se o terrorismo ganhar mais  espaço e aumentar a insegurança no mundo, e se e se que não acaba mais, vamos dizer que Brasil é imune mais uma vez e que tudo não passa de "marolinha"?

A ilusão de que temos reservas cambiais para estarmos imunes às crises é inversamente proporcional à que está acontecendo no nosso vizinho  Argentina, da qual também ninguém fala. Efeito vodca: amanhã eu serei você. 

Oh! jabuticaba gostosa e enganosa. 

STEFAN SALEJ, consultor empresarial, foi presidente do Sistema Fiemg e Sebrae MG