Empresário de Muzambinho questiona omissão da OMS

Publicado em 08/04/2020 - cidade - Da Redação

Empresário de Muzambinho questiona omissão da OMS

O empresário Carlos Alves Poscidônio, diretor da Rádio do Povo AM em Muzambinho, fez um questionamento interessante sobre a OMS – Organização Mundial da Saúde. Considerando a pandemia do COVID-19, o muzambinhense alertou que a entidade não deu o alerta no momento correto, se omitiu e depois tentou corrigir sua postura. Entende, portanto, que após a pandemia, a OMS deverá ser reestruturada pelas nações do mundo para que realmente seja uma entidade efetiva e consiga orientar os países no sentido de superar pandemias. “A OMS não teve coragem de enfrentar a China e fazer o alerta na hora certa. A OMS falhou e deve ser reestrutura e repensada, pois não cumpriu e nem está cumprindo o papel que as nações do mundo esperam”, criticou.

DINHEIRO EMPRESTADO

Carlos Poscidônio ainda explicou o investimento de R$ 800 bilhões do governo federal para o enfrentamento ao novo coronavírus. Segundo ele, o dinheiro apareceu porque está sendo emitido um cheque especial. O dinheiro está sendo tomado no mercado, inclusive com pagamento de juros pela sociedade brasileira. Este “dinheiro emprestado” tem a devida aprovação pelo Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal.


LIBERAÇÃO

Por fim, o empresário comentou medidas tomadas nos municípios para o retorno às atividades profissionais. Citou decretos que foram emitidos pelas prefeituras de Varginha e Nova Resende, com algumas condicionantes. Observou que a mesma medida foi tomada na Coréia do Sul. Porém, entende que na verdade ninguém realmente sabe o que é certo ou errado, com cada um assumindo sua responsabilidade. O muzambinhense elogiou o decreto emitido em Varginha, ressaltando que as limitações devem ser assumidas a nível individual. “Acredito que as coisas vão começar a caminhar para este lado. No final das contas, ninguém sabe exatamente o que fazer”, argumentou.