Rodrigo Pacheco diz que vice será escolhido pela “ética” e pela “moral”

Publicado em 12/06/2018 - politica - Da Redação

Rodrigo Pacheco diz que vice será escolhido pela “ética” e pela “moral”

Ao participar de evento do Avante, em Belo Horizonte, neste sábado (9), o pré-candidato ao governo de Minas pelo Democratas, deputado federal Rodrigo Pacheco, afirmou que o vice na chapa a ser formada para a disputa eleitoral não levará em conta as articulações feitas pelos ‘caciques” da política, mas por pessoas que tenham “ética, moral e competência”. O deputado federal vem se colocando como alternativa à polarização criada por PSDB e PT nos últimos anos em Minas. 

Ao reafirmar seu propósito de concorrer ao governo do estado, o pré-candidato foi questionado sobre a escolha do vice na sua chapa e adiantou que isso será feito no tempo adequado. 

“O vice ainda será discutido, assim como as vagas ao Senado e a própria coligação, mas vamos escolher bem. Não só por critérios partidários, mas por critérios pessoais. As pessoas que tenham condição moral, ética e que tenham competência. Ainda estamos conversando e isso vai ser definido oportunamente”, declarou. 

Pacheco confirmou que uma aliança partidária será formada em torno da sua pré-candidatura, agregando as siglas que acreditam no seu nome para ser a alternativa mais viável em contraponto ao PT e ao PSDB. Rodrigo Pacheco é a principal aposta do Democratas entre os pré-candidatos de outros estados. Ele revelou conversas em estágio adiantado com outras legendas.  

“Estamos muito tranquilos em relação a essa questão da composição e estamos muito determinados nesse propósito de apresentar uma alternativa política para Minas Gerais. A estrutura que temos hoje, do Democratas, absolutamente unido, do Progressistas, do Avante, do PEN, e de outros partidos que virão, nos permitirão ter uma candidatura bastante competitiva”, afirmou. 

O atual presidente do Democratas, em Minas Gerais, ratificou também a sua disposição de continuar a percorrer o estado em busca do diálogo e de ouvir as pessoas para a formação de um plano de governo. 

“Vamos trabalhar com a perspectiva da campanha pela televisão, no rádio, mas também através das redes sociais e de muita sola de sapato e saliva para rodar os quatro cantos de Minas Gerais. Levando a nossa mensagem de otimismo, de esperança e de renovação, e de independência em relação a esse caciquismo político que acabou com Minas Gerais”, frisou.

ASCOM