Deputado Arantes alerta que Governador Pimentel quer criar parque sem ter dinheiro para indenizar proprietários das terras

Publicado em 06/07/2018 - politica - Da Redação

Deputado Arantes alerta que Governador Pimentel quer criar parque sem ter dinheiro para indenizar proprietários das terras

O deputado Antonio Carlos Arantes (PSDB) considera o Decreto nº 301 do Governador Fernando Pimentel, publicado no dia 5 de julho de 2018, que cria o Parque Serra Negra da Mantiqueira, mais um problema instituído pelo PT. Primeiro, porque o Estado não tem dinheiro para comprar as terras e será mais calote do Pimentel. Segundo, porque o Estado não preserva as áreas ambientais existentes. 

Para o deputado Arantes, se a região hoje é bonita e atrativa é porque é bem cuidada pelos produtores rurais que precisam dela para viver. Ele alerta para o fato de que, se o governo assumir essas áreas, elas correm o risco de serem destruídas. 

Arantes deixa claro que não é contra a criação de parques: “Preservar o meio ambiente não é só preservar a fauna e a flora, mas também as pessoas, as famílias que trabalham na terra, preservando sua história, sua cultura. Ninguém ama mais a terra do que quem vive nela. Por isso, é perfeitamente possível produzir e preservar. E se tem uma coisa que o governo Pimentel também não faz é preservar as áreas ambientais. Estão quase todas degradadas, queimadas e com os rios cheios de esgotos da Copasa. Além disso, é um governo que não respeita o direito de propriedade”, afirmou.

POPULAÇÃO LOCAL É CONTRA

A criação do Parque afetará os municípios de Santa Bárbara do Monte Verde, Olaria, Lima Duarte e Rio Preto. Na audiência pública que a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realizou um dia antes da publicação do decreto para discutir o problema, a maioria dos presentes se posicionou contrária à criação do parque. 

Os prefeitos de Santa Bárbara do Monte Verde, Ismael Teixeira de Paiva, e de Olaria, Luiz Enéas de Oliveira, além de presidentes de Câmaras desses municípios, foram enfáticos em afirmar que o parque não interessa à população local nem aos proprietários das terras. 

O presidente da Câmara de Rio Preto, vereador Celso Machado Ferreira, foi taxativo: “Quanto mais ouço falar desse projeto, nesse momento caótico que vive o Estado, mais eu tenho certeza que não se justifica a criação do parque”.

A produtora rural Aline Roque Nacarati, de Santa Bárbara do Monte Verde, disse que sua família é dona de terras há mais de 300 anos e que ninguém quer vender a propriedade.

E o produtor rural e apicultor de Funil, distrito de Rio Preto, Wilson Adriano Tancredo, chamou de “desonra nacional” a forma como os moradores da região estão sendo tratados, porque o direito à propriedade não está sendo respeitado.

Texto e foto: JC Junot