Clima esquentou com debate entre vereadora e radialista em Monte Belo

Publicado em 06/12/2015 - legislativo - Da Redação

Clima esquentou com debate entre vereadora e radialista em Monte Belo

Em reunião ordinária anterior do Legislativo de Monte Belo, vereadores rebateram críticas de radialista a respeito da falta de transporte na área de saúde. Isto porque cobrança foi generalizada “aos agentes políticos”. Para os vereadores, o (a) radialista deveria ter citado nomes, fazendo então uma cobrança direta e específica. Além disso, entenderam que a cobrança deveria ser direcionada ao Executivo, verdadeiro responsável pelas ações da administração municipal.
Na sessão desta semana, no dia 01 de dezembro, a polêmica voltou à tona através da vereadora Maria Aparecida Correia de Freitas (PSD). Como a reunião é transmitida pela emissora de rádio local, o fato teve repercussão imediata. A radialista Ansheridan (“Shel”) foi rapidamente até a Câmara, solicitando o uso da palavra durante a reunião. Como não havia inscrição prévia, o presidente Ricardo Prado (PR) decidiu que a autorização para manifestação da radialista deveria ser colocada sobre apreciação do plenário. Assim, houve concordância unânime dos vereadores e a radialista teve a oportunidade de se “justificar”, conforme ela própria alegou.

OUTRO LADO - No seu pronunciamento direcionado à vereadora Maria Aparecida, a radialista Shel afirmou que não fez críticas e nem generalizou. Contou que estudou o SUS por vários meses, tendo sido eleita delegada da saúde em Alfenas, defendendo a cidade em Belo Horizonte e o estado de Minas Gerais em Brasília/DF. Assim, aprendeu que a cobrança deve ser direcionada aos políticos. Em seguida, justificou que não estava fazendo “politicagem”. Acrescentou que já recebeu a vereadora Cida em seu programa de rádio, acompanhada pelo vereador Nilsinho e deputado Geraldo Tadeu. Também afirmou que a Sra. Aparecida, do bairro Quatis, passou por uma cirurgia no coração e não havia conseguido um transporte para Poços de Caldas. Shel explicou que o seu programa de rádio tem conteúdo religioso e de ação social. Apenas disse naquele momento que “se tiver algum político ouvindo”, fato que gerou grande repercussão. Por fim, negou falta de conhecimento ou questão política e candidatura.

RÉPLICA - A vereadora Maria Aparecida (PSD) justificou que em nenhum momento criticou a radialista Shel por ter sido candidata, reconhecendo o direito de todo cidadão. Afirmou que sempre recebe bem as críticas, sejam construtivas ou não. Mas observou como problema o fato de uma radialista que já se candidatou ao cargo de vereadora e não sabe que deve fazer a crítica a Poder Executivo e não ao Legislativo. Até porque os vereadores tem o papel de fiscalizar e aprovar leis. Portanto, considerou errado o fato de uma pessoa generalizar, falando sobre todos os políticos, tentando prejudicar o trabalho dos vereadores. Em seguida, voltou a dizer que o prefeito e a Secretária de Saúde são as pessoas responsáveis pela questão.

DEBATE - Na sequência, houve um intenso debate entre a vereadora Maria Aparecida e a radialista Shel. O vereador Nilsinho lembrou que na reunião anterior, quando a questão foi levantada, chegou a dizer que “todo aquele que participa da política, é político”. Porém, mesmo satisfeito com a preocupação e apoio da radialista com as pessoas, entende que a responsabilidade deve ser direcionada ao prefeito e secretária de saúde. Até porque a administração está deixando a desejar nesta área, chegando a citar “falta de respeito” para com a população.
O vereador Claudinho (PR) parabenizou a radialista pelo trabalho social desenvolvido. Para ele, a questão está sendo levada para o lado político. Afirmou que, se estivesse ouvindo o programa, teria tentado ajudar a cidadã. Até por entender que as responsabilidades são iguais aos políticos. “Se eu fosse procurado, teria resolvido sim”, disse.
A vereadora Maria Aparecida (PSD) voltou a justificar que em momento algum acusou a radialista de agir com politicagem. Em seguida, avisou que a população deve procurar o vereador Claudinho, que pelas suas palavras deve ser o novo Secretário de Saúde.