As operárias da terra

Publicado em 13/01/2017 e atualizado em 13/01/2017 - vitor-hugo - Da Redação

Quem pensa que a minhoca só serve de isca para atrair o peixe para o anzol, está enganado. Ela perfura o solo e come tudo que acha pela frente, terra, restos vegetais, pequenos insetos, larvas, ovos e todos estes resíduos ao passarem pelo trato intestinal das minhocas se transformam em uma massa escura que chega a ter 2 milhões de bactérias por grama de resíduo, o que vai proporcionar a formação final do húmus, e não é só isto, as minhocas perfuram o solo formando galerias em todos os sentidos e neste trabalho, elas segregam pela pele um muco viscoso que ajuda a dar firmeza às paredes das galerias. Com isto a porosidade do solo aumenta formando grumos, permitindo a circulação da água e do oxigênio, que são essenciais para as vidas de muitos microrganismos. Embora haja minhoca que possa penetrar até quatro metros de profundidade, em média elas atuam em 0,5 metros, melhorando a infiltração de água e facilitando o crescimento das raízes. Quem possui um canteiro bem povoado de minhocas, pode plantar sem usar nenhum adubo químico, colhendo uma hortaliça limpa e de alto valor biológico, sem correr o risco de resíduos químicos, isto porque os excrementos das minhocas aumentam em até 10 vezes o fosfato assimilável e também o potássio e o magnésio trocáveis no complexo do solo, eleva o cálcio em 30% e mineraliza até 10 vezes mais os nitratos obtidos no processo de decomposição da matéria orgânica. Quem já possui canteiros prontos, cultivados, que já tenham recebido uma correção com farinha de ossos ou fosfato natural, para enriquecê-los com as minhocas, deve cobrir o canteiro com uma camada de 5 cm de esterco de curral (alimento preferido das minhocas) em seguida cobrir o canteiro com capim ou restos de palha de feijão, ou melhor ainda uma tela de sombrite e manter o canteiro úmido, sem encharcar, regando uma vez por semana, ao final de 40 dias, as minhocas já transformaram o esterco em húmus e o canteiro está pronto para ser plantado, assim o rodízio vai sendo feito em todos os canteiros. A população de minhocas vai aumentando e passando de um canteiro para o outro, até que toda a horta seja caracterizada como um “criadouro de minhocas” ou seja a fertilidade vai sendo renovada constantemente, não havendo necessidade nenhuma de aplicação de adubos, aproveitamos para um conselho técnico: jamais aplique adubos nitrogenados em hortaliças folhosas, uréia, sulfato de amônio, nitro-cálcio ou outros, formulados em belas e ricas embalagens, em plantas que se consomem as folhas, alface, couve, espinafre, etc, pois seria como comer os adubos, indiretamente. Estes adubos além de serem “biocidas” (vão destruir toda a vida do seu solo, fungos, bactérias benéficas e até as minhocas vão desaparecer) os adubos nitrogenados ainda vão se transformar em nitrosaminas, nitrosamidas e outras toxinas, que podem trazer danos à saúde de quem consome. Já comentamos em outros artigos, que “devemos adubar o solo” e a planta irá retirar os minerais de que necessita, decompostos pelo solo, nas proporções necessárias “é importante ter consciência disto”. Principalmente quem planta verduras para vender. As virtudes dos oligoquetos (classe a que pertencem as minhocas) são conhecidas há muitos anos.. Arístoteles, filósofo grego que viveu 400 anos antes de Cristo já dizia que: “as minhocas são os intestinos da terra. Como podemos ver: “conhecimento.. não tem data de vencimento”.

Vitor Hugo do Nascimento / Muzambinho
Técnico do Ex-IBC / [email protected]