Saúde reforça alerta sobre poliomielite e sarampo em Poços

Publicado em 10/07/2018 - regiao - Da Redação

Saúde reforça alerta sobre poliomielite e sarampo em Poços

Enfermeiros da Atenção Básica e profissionais da UPA e dos Hospitais Santa Casa, Poços de Caldas e Unimed, participaram na tarde da segunda, 9, de uma capacitação promovida pela Secretaria Municipal de Saúde com o objetivo de alertar sobre os cuidados com a prevenção e o diagnóstico do sarampo e da poliomielite. O Ministério da Saúde emitiu recentemente comunicados sobre os surtos de sarampo e risco de retorno da pólio. No caso do sarampo, a ocorrência de surtos nos Estados de Roraima e Amazonas, colocou o Brasil em alerta. Já para a poliomielite, a identificação do caso na Venezuela traz o risco de volta da doença, erradicada no Brasil desde 1990. O encontro realizado na Associação Médica de Poços, foi aberto pelo Secretário de Saúde, Flávio Togni de Lima e Silva. “É muito bom ver essa sala cheia, pois mostra o comprometimento de todos vocês com esta que é uma preocupação real e que coloca todo o nosso sistema de saúde em alerta. A exemplo do que nossas equipes fizeram em 2017, em um grande trabalho de imunização contra a febre amarela que atingiu mais de 50 mil pessoas, acredito que estamos preparados para mais estas ações, desta vez voltadas para a prevenção do sarampo e da poliomielite”, afirmou o secretário.

Segundo o Ministério da Saúde, no Brasil, a cobertura vacinal de crianças até dois anos, em 2017, foi a menor dos últimos 16 anos. A cobertura vacinal contra a poliomielite prevê doses aos dois, quatro e seis meses de vida, com reforços a partir de um ano e três meses e aos quatro anos. Já para o sarampo, a cobertura vacinal prevê duas doses: com um ano e três meses e outra até 29 anos. Quem não tomou as duas doses neste período, deve tomar a vacina até completar 49 anos. “Estamos alertando os profissionais de saúde para redobrar os cuidados para os sintomas que podem representar casos suspeitos, aumentando a vigilância para estas notificações que permitem a adoção dos procedimentos necessários, como coleta de material para análise e tratamento adequado”, informou Gisele Scatola, Referência Técnica de Imunização.

Tanto sarampo quanto poliomielite são doenças infectocontagiosas. A polio também conhecida por paralisia infantil é provocada pelo poliovírus, transmitido principalmente pela via fecal oral e menos comumente por água ou alimentos contaminados. O vírus multiplica-se no intestino, podendo invadir o sistema nervoso central e causar paralisia. Os sintomas incluem: febre, fadiga, cefaleia, mialgia e dor nos membros. Trata-se de uma doença sem cura e que pode deixar sequelas permanentes.

Já a transmissão do sarampo se dá por meio de secreções das vias respiratórias, podendo ser transmitida diretamente de uma pessoa à outra, por meio de tosse, espirro, fala ou respiração, ou também pela aglomeração em ambientes fechados. O sarampo apresenta como sintomas: febre alta, manchas avermelhadas em todo o corpo, congestão nasal, tosse e olhos irritados e pode causar complicações graves como cegueira, encefalite, diarreia intensa, infecções do ouvido e pneumonia, sobretudo em crianças com problemas de nutrição e pacientes imunodeprimidos.

Além de mais cuidados para o diagnóstico rápido de possíveis casos, a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Juliana Loro Ferreira, reforça a importância dos pais se responsabilizarem pela vacinação das crianças. “A única forma de prevenir estas doenças é por meio da imunização. Na dúvida, a gente orienta que os pais levem a caderneta de vacinação da criança a uma das salas de vacina para que a nossa equipe possa fazer a conferência e se faltar alguma dose, já administrar a vacina. Estamos vivendo um momento de alerta e é fundamental a participação de todos para evitarmos o registro de casos destas doenças em Poços e manter a nossa população protegida”.

ascom