Viver é bom

Publicado em 25/07/2018 - ponto-de-vista - Da Redação

Viver é bom

Vida é viver. Viva-a sem abandonar aquilo que deseja. Aquilo que nos trará a sensação de que a vida vale a pena. Muitas pessoas detestarão que você tome a iniciativa e faça o que elas não se atrevem a encarar. Em certos momentos da vida não se pode manobrar dentro da margem da simpatia. É preciso fazer apenas o necessário. Cada um é diferente. O sistema de troca é necessário nas relações, mas há quem se recuse, acreditando ter direitos a mais, querendo ser servido. Expectativas que acabam produzindo decepção. Nem sempre o outro é grato ou deseja retribuir. Aprendeu a receber mais do que dar. Seja qual for seu motivo, assim se mantém sem crítica. Quando somos fiéis a nós mesmos, não estamos sozinhos, estamos conosco. Viver é bom, ou não é? Claro que viver é bom: a gente vive com dores, alegrias, mal entendidos; mas se quer abraçar, vai e abraça... E mesmo não simpatizando com aquela pessoa, deseja-lhe bons augúrios. E, se gosta daquela outra, acha sua cara boa, bonita, então, sorria para ela, e aí sinta aquela sensaçãozinha boa de estar vivo, sinta a brisa fresca (ou fria, neste inverno) das manhãs ou das tardinhas, que lhe bate no rosto e... Ser humano é mais ou menos tudo isso. Quer saber? “Eu fico com a pureza/Da resposta, das crianças/ É a vida, é bonita/ E é bonita”. Gonzaguinha ficou com esta. E você fica com qual? Eu, o que acho?! Melhor voltar com o cantor e compositor Gonzaguinha: “Ah meu Deus!/ Eu sei, eu sei/ Que a vida devia ser/ Bem melhor e será/ Mas isso não impede/ Que eu repita/ É bonita, é bonita/ E é bonita”.

Fernando de Miranda Jorge

Acadêmico Correspondente da APC

Jacuí/MG – e-mail: [email protected]