MÃE É MÃE

Publicado em 11/05/2018 - ponto-de-vista - Da Redação

MÃE É MÃE

Dia é dia.

Como descrever uma Mãe? Como comemorar um dia? Os filhos procuram de todo jeito, cada qual à sua maneira, particularmente, homenageá-la. O Dia das Mães e o Dia da Mãe é o dia em que se homenageia a mãe e a maternidade. É tudo! Não precisa designar mais nada. Já o comércio, bem, o comércio quer mais é faturar em cima da data “Delas”, estabelece até meta de lucratividade, e ainda pensa que está prestando homenagens. Na verdade, as propagandas e promoções começam bem antes do dia, na expectativa de venderem todos os seus produtos. Mãe é muito para ser insignificante: só com presentes. Deve-se fazer muito mais. Precisa-se fazer mais. Como? Ficando mais tempo com ela; conversando, contando e ouvindo histórias; cantando aquelas músicas dela. Passe o dia inteiro com ela, não só durante o costumeiro e tradicional festejo, que, por sinal, ela mesma aproveita pouco. Faça tudo para agradar a ela, não aos outros. Sinta sua Mãe, olhe nos olhos dela e pergunte: Mãe querida, única, o que você deseja fazer hoje, no seu dia? O que você gostaria que eu fizesse por você hoje? Eu gostaria de agradecê-la, Mãe, obrigado pela vida, a minha vida, por isso estou aqui. Eu acho que me pareço com você. Ah, sim, com seu jeito de ser. Bom dia, boa tarde, boa noite, Mãe, Mamãe! Diga para ela coisas assim: “Ser Mãe é quando se descobre o sentido da vida. Obrigado é muito pouco, presente não é tudo. Mas, o reconhecimento, isso sim! É pra valer... Maio, mês referente às Mães, embora bom lembrar... Dia das Mães, que alegria é todo dia”! Ou ainda, Mãe, minha mãezinha, é para sempre: “Por que Deus permite/ que as Mães vão-se embora?/ Mãe não tem limite,/ é tempo sem hora,/ luz que não apaga/ quando sopra o vento/ e chuva desaba...” (Carlos Drummond de Andrade – poeta brasileiro).

 

Fernando de Miranda Jorge

Acadêmico Correspondente da Academia Paraisense de Cultura

Jacuí/MG – E-mail: [email protected]