CHOVE, chuva

Publicado em 23/11/2017 - ponto-de-vista - Da Redação

CHOVE, chuva

O céu está escuro, fechado. Parece que vai chover. É assim que as pessoas sentem a chegada da chuva. E ainda ficam perguntando para uma e para outra, não acreditando na sua percepção: Será que vai chover? É. E mesmo em dia nublado, quando tem tudo para uma "chuvona", ameaça e não chove. E, se chove, é aquela chuvinha de molhar bobo, muito pouco para molhar o meu jardim e lavar a minha saudade. E tem mais, antigamente chovia e acabava a energia - diziam a “força” acabou. Não voltava mais no mesmo dia. Só depois de uns três dias. É, sim. Não acredita?! Porém, hoje, o que nos deixa indignados e tristes, quando acaba a força, é ficarmos sem Internet e TV por assinatura. Com o resto, nos viramos para o canto e dormimos, porque ela só volta de madrugada... Todos os aparelhos ligados e lâmpadas acesas. “Chove, chuva, chove sem parar”. Alegria, gente! Você não reclamava do calor? Agora está fresquinho. Elas estão chegando: chuva fina, fria e intensa, aquela que molha mesmo, chuva mansa, chuva forte. Chuvarada, ou uma chuvada, na expressão de uma criança minha vizinha. Chove, chuva! As nascentes e os rios agradecem. A secura também. Até as estradas rurais vicinais, com saudades, trocam a poeira pelos atoleiros encravadouros. Não reclamem. As chuvas estão chegando, para alguns, tardiamente. Mas é bom ver e ouvir a chuva caindo.

Fernando de Miranda Jorge / Acadêmico Correspondente da APC / Jacuí/MG e-mail: [email protected]