O carrinho e o carinho

Publicado em 07/05/2018 - paulo-botelho - Da Redação

O carrinho e o carinho

Foi em Silveira – SP, cidade com pouco mais de 5.000 habitantes, próxima a Cruzeiro e Queluz no Vale do Paraíba.

Em uma quarta-feira do mês passado, ao final da madrugada  fria e ainda sem sol. Um carrinho-de-mão segue rápido para o único Posto de Saúde levando uma mulher de 75 anos. O carrinho era desses utilizados em construção civil para o transporte de tijolos, telhas, areia ou argamassa. A mulher, sob intensa dor, tinha lesão em um dos tornozelos. Não houve disponibilidade de viatura para levá-la ao Posto de Saúde. E o marido, pedreiro de 78 anos, não teve dúvida: colocou a mulher no carrinho e rumou para o atendimento. Tudo foi documentado pelo celular da filha do casal. E a incomum cena acabou indo parar n a TV Vanguarda de São José dos Campos.

Com carinho, de mãos dadas com a mulher, o homem disse, apenas: “Eu não podia deixar a minha velha sofrendo; e aí botei ela no carrinho!”

- E não houve tempo para a última palavra. Não houve tempo para dizer as tantas coisas do verdadeiro amor!

Paulo Augusto de Podestá Botelho é Consultor de Empresas e Escritor. www.paulobotelho.com.br