ONG trabalha na recuperação de galpões ferroviários

Publicado em 10/07/2018 - geral - Da Redação

ONG trabalha na recuperação de galpões ferroviários

Comissão foi ao Sul de Minas conhecer trabalho desenvolvido pelo Circuito Ferroviário Vale Verde.itter Facebook Email Versão para impressão

trabalho de recuperação dos galpões da antiga Rede Ferroviária Federal (RFFSA), no Sul de Minas, desenvolvido pela ONG Circuito Ferroviário Vale Verde motivou visita da Comissão Extraordinária Pró-Ferrovias Mineiras da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) aos municípios de Lavras, Bom Sucesso e Ribeirão Vermelho, no último sábado (9/7/18).

O presidente do Circuito Ferroviário Vale Verde, César Mori Júnior, explicou que a associação mantém um acordo com a Ferrovia Centro Atlântica há mais de cinco anos e já obteve a anuência para operar um trem turístico entre Lavras e Varginha. Segundo ele, o projeto está na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), já possui locomotiva em funcionamento e aguarda recursos para os carros de passageiros e para a reforma da linha.

César Mori Júnior destacou que o trecho fazia parte das concessões operadas pela Ferrovia Centro Atlântica. Entretanto, a empresa deixou de utilizá-lo, em especial os pontos que passavam dentro dos municípios, operando apenas a rota de escoamento do minério.

Com o passar do tempo, as máquinas e oficinas viraram local de depredação e roubos. Após conseguir a cessão do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), o Circuito Ferroviário Vale Verde passou a buscar recursos e doações para a recuperação das máquinas, da linha e das oficinas abandonadas.

“Estamos lutando para que os recursos da multa gerada pelo abandono da linha sejam utilizados diretamente na sua recuperação. Uma das nossas metas é recuperar o antigo trem romeiro que operava de Lavras até Aparecida do Norte, em São Paulo”, destacou.

Pátio conta com dezenas de locomotivas abandonadas

Durante a visita, a comissão esteve em um pátio no município de Bom Sucesso que conta com dezenas de locomotivas abandonadas. Também foram visitadas a sede do Circuito Ferroviário Vale Verde, em Lavras, que já possui três locomotivas recuperadas, e uma rotunda (oficina redonda) em Ribeirão Vermelho.

O presidente da comissão e um dos autores do requerimento, deputado João Leite (PSDB), lamentou a situação de abandono das locomotivas e a sua depredação, com o roubo de componentes. “É impossível calcular o prejuízo para o povo brasileiro. Essa linha está parada, mas poderia transportar cargas e passageiros”, apontou.

Trabalho social – César Mori ainda explicou que o Circuito Ferroviário Vale Verde firmou parceria com o Poder Judiciário para utilização dos detentos da Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) de Lavras nas obras de recuperação do patrimônio ferroviário. Outro projeto é a implantação de uma escola profissionalizante formando profissionais para trabalhar nas ferrovias e nas indústrias locais.


ASCOM