Muzambinhense foi destaque em competição internacional de arquitetura

Publicado em 04/09/2016 - estevao-bortoloti - Da Redação

Muzambinhense foi destaque em competição internacional de arquitetura

O concurso foi organizado pela Biblioteca de Alexandria e UIA, com a participação de 349 arquitetos de 45 países. Os brasileiros ficaram em 6º lugar

Uma equipe de seis profissionais brasileiros, de Campinas/SP, recebeu menção honrosa no concurso promovido pela Biblioteca de Alexandria e pela UIA (União internacional dos Arquitetos), durante a última edição do “The New Science City” International Architectural Competition, ao lado dos principais escritórios de arquitetura do mundo. O muzambinhense Daniel Ribeiro, que tem família no Bairro Palmeia, é um dos membros da equipe.

O anúncio dos vencedores foi no dia 29 de agosto em Alexandria, no Egito.  O concurso teve como objetivo receber projetos de um plano diretor abrangente com design conceitual para  novo complexo “Cidade da Ciência”, que será construído em  06 of Octuber City, cidade satélite do Cairo. Ao todo, 349 arquitetos, de 45 países, se inscreveram. Para a etapa final, 142 projetos, de 32 países, foram para avaliação do juri. Os brasileiros ficaram em sexto lugar, entre os oito premiados, com menção honrosa.

O projeto da equipe brasileira se destacou pela clareza e coesão. Foi desenvolvido com design  flexível, contendo uma grande praça central coberta por uma cúpula que permite o encontro e a comunicação entre os diversos laboratórios, e uma grande esfera que marca a paisagem do Egito, se contrapondo às tradicionais pirâmides. 

No projeto, o grupo explica a forma de implantação, com a ocupação do terreno através de dois elementos: a torre de observação e o campus da ciência. Os edificios foram pensados para funcionarem separadamente, possibilitando maior flexibilidade com relação aos seus usos, mas conectados por meio de uma passarela elevada que lhes confere uma coesão.

“A ideia principal foi criar um marco, se contrapor à lógica convencional de predinhos, para demonstrar a importância da ciência”, conta o arquiteto Daniel Ribeiro.

Os primeiros colocados foram as equipes do Reino Unido (1º e 3º), Malásia (2º), Coreia do Sul (4º) e Grécia (5º).

O grupo brasileiro é formado por três jovens arquitetos recém formados, Daniel Henrique Ribeiro, Giliarde Silva e Guilherme Oliveira, um arquiteto e professor da PUC Campinas, Joaquim Caetano de Lima Filho e dois estudantes de arquitetura Lucas Moretti e Raissa Shizue, que juntos conceberam o projeto. A equipe ainda teve o apoio do estudante artista Gabriel Damasceno, da FAJ.