Provocação ao Cruzeiro, política e Neto; Milton Neves diverte coletiva no Galo

Publicado em 19/09/2018 e atualizado em 19/09/2018 - esportes - Da Redação

Provocação ao Cruzeiro, política e Neto; Milton Neves diverte coletiva no Galo

O jornalista Milton Neves, atleticano declarado, esteve na terça-feira (18), na Cidade do Galo, para compor a mesa de apresentação do projeto Universidade do Galo, um projeto firmado entre o Atlético e a Universidade  Brasil.

Folclórico que é, ele arrancou boas risadas, emendando uma história na outra. Milton Neves, claro, não deixou de provocar o rival, contudo, evidenciou a importância da rivalidade sadia.

“Antes do Mineirão, o futebol mineiro era um Campeonato Catarinense, do Norte, do Nordeste. Hoje, Atlético e Cruzeiro são uma potência, eles vão se alternando quem está em melhor fase. Tem que alimentar a rivalidade sim, mas com responsabilidade. Na hora que acabar um, acaba o outro”, ressaltou.

Logo no começo de sua fala, ele foi interrompido pelo Galo Doido, que entrou na sala de imprensa. “Oh, Galo, chegou atrasado. Você estava comendo uma Raposa por aí”, brincou.

Como um bom mineiro, ele contou alguns ‘causos’, lembrando da época em que ganhou o troféu Galo de Prata. “Quando recebi o título de cidadão do Galo, o Galo de Prata, estava lá o Galão. Às vezes me chama de pé-frio. Eu e o Roberto Drumond recebemos o prêmio e dali uns dias morreu o Roberto Drumond (escritor)”, soltou.

Conhecido por fazer muita propaganda, ele disse que não estava no CT desta vez para isso. “Estou aqui porque trabalho para a Universidade Brasil no rádio, no jornal, na televisão, na internet. Faço isso a contragosto porque odeio propaganda, não faço merchandising de jeito nenhum”, afirmou.

Ele teve tempo até de fazer uma “propagandinha” do filho do presidente do Atlético, Sérgio Sette Câmera, que tem o mesmo nome do pai e é piloto de F-2. “Meu filho gosta muito do teu, ele é publicitário e amigo de seu filho, o Senninha”, brincou.

Se dirigindo ao dirigente alvinegro, ele lembrou também da passagem do atacante Neto, hoje colega de trabalho na TV Bandeirantes. “O Neto jogou aqui no Galo, enganou pra burro, não jogou porcaria nenhuma, mas disse que namorou muitas mulheres”, garantiu.

Até a política brasileira esteve em pauta. “Eu não tenho partido. Vou votar no Eymael (candidato a presidente da República). Eu e a mãe do Eymael: dois votos”, afirmou. E ainda teve mais uns assuntos nada a ver.

“Belo Horizonte é a capital brasileira de nome mais bonito. Assim como o Corinthians é o nome mais bonito do futebol do mundo, Belo Horizonte é o nome mais bonito de qualquer capital do Brasil, como Copacabana também é, como também Estação Primeira de Mangueira”, comentou.

Fonte: O Tempo