REGISTRO HISTÓRICO - De Distrito de São Sebastião da Barra Mansa a município de Juruaia

Publicado em 26/12/2017 - especial - Da Redação

REGISTRO HISTÓRICO - De Distrito de São Sebastião da Barra Mansa a município de Juruaia

Em 1º de janeiro de 2018 Juruaia estará completando 69 anos de emancipação político administrativa, porém sua história remonta a um passado distante.

Até 1911, o que hoje constitui o município de Juruaia era território de Muzambinho, embora já existisse o arraial de São Sebastião da Barra Mansa.
Em 1º de junho de 1912 foi instalado o Distrito de São Sebastião da Barra Mansa na jurisdição do município e comarca de Muzambinho.
Acontece que no Estado do Rio de Janeiro já existia uma cidade com a denominação de “Barra Mansa”, o que acabou trazendo problemas ao “Correio Nacional” na entrega de correspondências. Diante do fato, em 1923, o então vereador representante de São Sebastião da Barra Mansa na Câmara Municipal de Muzambinho, José Luis Marcondes Júnior, o saudoso Zico Marcondes, propôs a mudança do nome do distrito para “Juruaia”, que na língua Tupi significa “Barra Mansa”. A sugestão do vereador progrediu, sendo que a lei estadual nº 843, de 7 de setembro de 1923, confirmava a mudança.
O Distrito de Juruaia foi elevado à condição de Vila através do Decreto Lei (Federal) nº 311, de 2 de março de 1938.
Com a publicação da lei nº 336, de 27 de dezembro de 1948, a então vila de Juruaia era elevada à condição de município independente, desmembrado de Muzambinho. O novo município passava a confrontar com os municípios: de Guaxupé, São Pedro da União, Nova Resende, Monte Belo e Muzambinho.
Em 1º de janeiro de 1949 foi instalado de fato o município independente. As solenidades tiveram início a partir das 9 h daquele dia, presididas por Eduardo Senedesi e pelo Padre Genésio. À tarde ocorreram cerimônias religiosas, inclusive com procissão com os andores de Nossa Senhora Aparecida e São Sebastião. Ainda naquele dia, no cemitério, foram prestadas homenagens ao fundador da cidade, Francisco Antônio de Mello.
Nos primeiros 15 dias, Juruaia continuou sob a égide de Muzambinho, pois somente em 16-01-1949 que o intendente nomeado pelo governador do Estado, José Dipe, assumiu a administração do novo município.

Ata de instalação do município
A primeiro de janeiro de mil novecentos e quarenta e nove, no edifício da Prefeitura, sob a presidência do Senhor João Tomé de Rezende, Juiz de Paz, desta cidade, na conformidade com as disposições a respeito, reuniram-se em sessão solene as autoridades e pessoas gradas, com numerosa assistência popular e ainda com a presença do Exmo. Sr. Chefe de Polícia, Dr. Antônio Ribeiro Pires, digno Delegado Regional de Polícia desta circunscrição com sede em Guaxupé; dos Srs. Pe. Genésio Nogueira Lopes, digno e virtuoso Pároco local, Eduardo Senedese, José Senedese, José Matias Ribeiro, José Luis Marcondes Júnior, representado pelo Sr. Délio Faria Marcondes, Teófilo Antônio de Rezende; e por si como representante do próspero município de Nova Resende como Vereador por aquela cidade, Ilídio Ribeiro de Melo e de muitas outras pessoas desta e das cidades circunvizinhas, que esta subscrevem, para o fim de se proceder à instalação do Município de Juruaia, criado nos termos do art. 3º da Lei nº 336, de 27 de dezembro de 1948, com jurisdição sobre as circunscrições que têm, por sede esta localidade ora recebe os foros de cidade. Aberta a sessão e constituída a Mesa, o senhor presidente, convidando todos os presentes a se porem de pé, pronunciou em voz alta, clara e pausada, as seguintes palavras inaugurais: ‘Em virtude dos poderes que foram outorgados, declaro instalado o município de Juruaia, com jurisdição sobre as circunscrições que têm por sede esta localidade que recebe os foros de cidade, com a competência e atribuições que a lei lhe confere e determina’. Em seguida o presidente da sessão concedeu a palavra ao orador oficial o Revmo. Pe. Dr. Genésio Nogueira Lopes, Vigário da Paróquia, que proferiu o discurso alusivo ao sentido da solenidade, com brilhantismo e eloquência, exaltando a todos aqueles que contribuíram para a emancipação do Município, ressaltando a figura de Eduardo Senedese que foi um dos baluartes do movimento emancipador, terminando pedindo a Deus que desça as suas bênçãos sobre o povo de Juruaia. O Sr. Presidente franqueou a palavra a quem dela quisesse usar, tendo falado o Sr. Dr. Antônio Ribeiro Pires, delegado regional de Guaxupé, como representante do Exmo. Sr. Dr. José Carlos Campos Cristo, digníssimo Chefe de Polícia deste Estado que, com palavras sinceras e eloquentes, congratulou-se com o povo de Juruaia pela sua conquista justa, fazendo votos para que a nova Comarca seja em breve, como tudo faz crer, uma das mais prósperas cidades do Sul de Minas, invocando para tal, as bênçãos de Deus. Sua Eça. foi vivamente aplaudido por todos os presentes. Em seguida usou da palavra o senhor Jairo Domingues de Siqueira, digníssimo escrivão de paz local que, com entusiasmo e eloquência, se associou a esta solenidade, reiterando os conceitos sensatos e dizeres do Remo. Pe. Dr. Genésio Nogueira Lopes, incitando a todos para a união da família juruaiense, para que a cidade se desenvolva e progrida, ressaltando as pessoas que, com ardor trabalharam para a emancipação deste distrito, assinalando pessoa por pessoa, e terminou evocando a figura do Grande Deus, para proteger e amparar este município e a todos juruaienses. Depois, usou da palavra o senhor Eduardo Senedese, que com grande emoção e alegria iniciou dizendo que a vinda do Revmo. Padre Genésio Nogueira Lopes foi um presente de Deus para Juruaia e para a conquista de sua emancipação, pois seria um ato de injustiça não reconhecer a cooperação valiosa e preponderante do Revmo. Padre que tudo fez neste sentido e terminou dando vivas ao Exmo. General Eurico Gaspar Dutra, digníssimo Presidente da República, ao Exmo. Sr. Governador Milton Soares Campos, ao Revmo. Pe. Dr. Genésio Nogueira Lopes e ao povo de Juruaia. Falou também o Sr. Délio de Faria Marcondes como representante de seu progenitor, Sr. José Luis Marcondes Júnior, que congratulou-se com este ato solene de instalação, justificando a impossibilidade da presença de seu pai, o qual de coração e espírito está presente às comemorações desta solenidade; encerrando a sua oração , apelando para todos que se unissem para a grandeza e prosperidade do município. Ninguém mais fazendo uso da palavra o Sr. Presidente convidou os presentes nesta solenidade para virem ao cemitério local, a fim de homenagearem a memória de Francisco Antônio de Melo, saudoso fundador da antiga Barra Mansa, hoje município de Juruaia. Declarou encerrada a sessão convidando os presentes a ouvirem a leitura desta ata, que foi assinada pelo Sr. Presidente, pelas demais autoridades e pessoas presentes. Eu, Jairo Domingues de Siqueira, na qualidade de escrivão de Paz, oficial de registro civil e tabelião, servindo de Secretário – ad-hoc, escrevi a presente ata e li no término da sessão, cuja realização aqui se registra.


Wilson Ferraz