Jota Maria revela drama familiar e espera por justiça e respostas

Publicado em 01/01/2018 - especial - Da Redação

Jota Maria revela drama familiar e espera por justiça e respostas

O presidente do Legislativo de Muzambinho, José Maria Dias, mais conhecido por “Jota Maria”, vive um drama familiar desde o dia 19 de dezembro. Nesta data, sua enteada Angélica Márcia dos Reis Esteves (foto), filha de Alzira dos Reis e Pedro Santos Esteves, passou por uma cirurgia na Santa Casa de Muzambinho. Porém, sofreu uma parada cardíaca e foi transferida para o Hospital Alzira Velano, na cidade de Alfenas, onde permanece em estado grave. Angélica tem curso superior, é professora do Colégio Lyceu há praticamente três anos, casada com Caio César e mãe da pequena Heloísa. Na quarta-feira, 27 de dezembro, Jota Maria convocou a imprensa para falar a respeito do fato, confessando toda tristeza e revelando que está buscando esclarecimentos sobre o ocorrido. Para tanto, já apresentou queixa na Polícia Civil.

Jota Maria falou emocionado sobre o drama vivido. Explicou que ainda não havia se pronunciado de forma oficial, pois estava aguardando os acontecimentos. Mas confessou que a família vem vivendo momentos marcantes e muito difíceis. Ao mesmo tempo, tem encontro força junto a Deus e os amigos. Assim, é possível começar a agir, usando a razão e controlando a emoção. Em seguida, Jota Maria relatou o fato passo a passo.
Angélica tinha uma cirurgia de hérnia marcada há cerca de 45 dias a ser realizada pelo SUS (Sistema Único de Saúde), tendo realizado todos os exames solicitados. Porém, na data marcada, o médico adoeceu e a cirurgia foi cancelada. Depois de aproximadamente um mês, Jota Maria foi acionado pela profissional Paula, da Secretaria Municipal de Saúde, solicitando que informasse Angélica de que havia uma vaga para a realização da cirurgia. Na ocasião, Angélica ainda questionou a mãe Alzira sobre a viabilidade de realização da cirurgia diante da proximidade do Natal. A mãe, considerando que seria uma cirurgia simples, aconselhou que a mesma deveria passar pelo procedimento. Assim, Angélica tomou a decisão de passar pela cirurgia.

A CIRURGIA
A cirurgia foi, então, agenda para a terça-feira, 19 de dezembro, às 10h30min. Angélica chegou no hospital às 10 horas, sendo que seu esposo chegou às 10h30min, quando conversaram na enfermaria. Por volta das 14 horas, Caio retorna ao hospital e pergunta como teria ocorrido a cirurgia da esposa. O mesmo foi orientado a retornar mais tarde, pois a esposa estava se recuperando da cirurgia.

PARADA CARDÍACA
Jota Maria lembra que chegou em casa e Alzira pediu para que telefonasse no hospital para pedir informações. A enfermeira, depois de cinco minutos, alegou que não poderia passar informação devido ao intenso trabalho nos quartos, orientando para que retornasse a ligação depois de vinte minutos. Por volta das 16h40min, novamente a enfermeira orientou que passasse no hospital para conversar pessoalmente, pois “estavam muito ocupados”. Depois, a mãe Alzira recebeu uma informação no seu celular dizendo: “Lamento o acontecido com sua filha’. A mensagem partiu de uma funcionária do hospital e Alzira não sabia o que estava acontecendo. A mãe, então, ficou desesperada, sendo que o filho foi imediatamente ao hospital, seguido por Jota Maria, onde o esposo Caio já estava. No local, foi informado pelo médico Dr. Paulo que Angélica havia sofrido uma parada cardíaca e que foram feitos os procedimentos imediatos. O médico anestesista Dr. Lino relatou todos os procedimentos tomados, dizendo que não sabia o motivo da parada cardíaca. Tudo aconteceu na presença dos médicos Dr. Lino, Dr. Paulo e Dr. Andrey, que informaram a transferência para uma UTI do hospital Alzira Velano, na cidade de Alfenas. A UTI Móvel (particular) somente chegou por volta das 19 horas, sendo que o responsável Adriano alegou que todo trabalho com os equipamentos da ambulância demanda praticamente uma hora. Assim, Angélica foi colocada na ambulância e levada para Alfenas, sendo acompanhada pelos médicos Dr. Andrey e Dr. Lino. Chegando ao Hospital Alzira Velano, todas as informações foram passadas à médica Dra. Aline. Dr. Lino afirmou que num prazo de seis horas a paciente Angélica voltaria à consciência, pois seria retirada todos os medicamentos. Porém, isto não aconteceu, mesmo depois de oito dias. Angélica permanece em estado inconsciente, com o exame apontando uma isquemia cerebral. Foi feita uma ressonância, que mostrou alguns “pontinhos” lesionados no cérebro. Os órgãos vitais estão funcionando. O médico afirmou que o processo de retorno é lento, exigindo muita paciência e fé. O estado é grave. No dia 27/12, Angélica abriu o olho e segurou forte na mãe Alzira. O médico alega que a paciente pode voltar à vida normal ou sofrer sequelas.

APOIO
Jota Maria aproveitou para agradecer a imensa corrente de oração. Revelou que pastores de todas as denominações e católicos foram até a sua casa, sendo que o Padre Francisco esteve no hospital em Alfenas. Todos pensando positivo e rogando para que Deus continue agindo para a recuperação de Angélica.

RESPOSTA E JUSTIÇA
Jota Maria, voltando a falar de todo sofrimento familiar, afirmou que deseja “respostas”. Contou que conversou constantemente com o médico Dr. Lino, que prestou todas as informações. Assim, prefere não criticar ou condenar o hospital de Muzambinho, pelo qual tem apreço e admiração pelos profissionais que lá trabalham. Porém, quer uma resposta: “Por que a Angélica Márcia Reis Esteves sofreu uma parada cardíaca?” acrescentou que já acionou a Justiça, sendo que o delegado Dr. Adnan já está no caso e vai ouvir os envolvidos. “Não estou acusando, apenas quero resposta e que seja uma resposta realmente convincente”, justificou. Disse mais: “Não é Deus que quis isso. Aconteceu um negócio no meio do caminho e nós queremos saber o que aconteceu”.